CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO JOSÉ ANTÔNIO ROSA. - Simulado Concurso

CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO JOSÉ ANTÔNIO ROSA.

Compartilhe
Apostilas de Concursos Públicos
Curso de redação para concursos
10 lições curtas e objetivas
Enfoque na prática
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO

Passar em Concurso
Concurso publico

APOSTILAS DE CONCURSO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
Lição 1 - Sem planejamento não dá
Lição 2 - Ponha informação de valor no seu texto
Lição 3 - Palavras, frases, períodos, parágrafos
Lição 4 - Conhecimento essencial de gramática e como adquiri-lo de modo natural
Lição 5 - Criatividade na busca e produção de conteúdo
Lição 6 - Usando estruturas básicas de textos
Lição 7 - Textos adequados aos dias de hoje
Lição 8 - Principais derrapadas na redação e como evitá-las
Lição 9 - Escrevendo um texto longo
Lição 10 - Usando a escrita como ferramenta de promoção na carreira
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
CURSO PRÁTICO DE REDAÇÃO
Como escrever bem um texto
Como escrever bem um texto
Como escrever bem um texto
Como escrever bem um texto
Como escrever bem um texto
Como escrever bem um texto
Como escrever bem um texto
Como escrever bem um texto
Como escrever bem um texto
Como escrever bem um texto
Como escrever bem um texto
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Paragrafo no texto
Paragrafo no texto
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras, frases, períodos, parágrafos
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Técnicas de escrita criativa
Técnicas de escrita criativa
Técnicas de escrita criativa
Técnicas de escrita criativa
Técnicas de escrita criativa
Técnicas de escrita criativa
Técnicas de escrita criativa
Técnicas de escrita criativa
Técnicas de escrita criativa
Técnicas de escrita criativa
Técnicas de escrita criativa
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estruturação do texto para concursos
Estrutura da dissertação
Estrutura da dissertação
Estrutura da dissertação
Estrutura da dissertação
Estrutura da dissertação
Estrutura da dissertação
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Como escrever bem um texto?
Erros comuns em redação
Erros comuns em redação
Erros comuns em redação
Erros comuns em redação
Erros comuns em redação
Erros comuns em redação
Erros comuns em redação
Erros comuns em redação
Erros comuns em redação
Erros comuns em redação
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Escrevendo um texto longo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como fazer uma redação passo a passo
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
Como escrever bem uma redação
concursos públicos brasil

Curso Prático de Redação
10 lições em texto
10 vídeos
E-book complementar (Anexo)
José Antônio Rosa
São Paulo, janeiro de 2017
JAR.Edições@
Sumário
Este curso
Lição 1 – Sem planejamento não dá
Começando errado
O plano, em três etapas
Sumário inicial
LIÇÃO DE CASA
Lição 2 – Ponha informação de valor no seu texto
Platitudes, blá-blá-blá e achologia
LIÇÃO DE CASA
Lição 3 – Palavras, frases, períodos, parágrafos
Palavras
Frases ou orações e períodos
Parágrafos
LIÇÃO DE CASA
Lição 4 - Conhecimento essencial de gramática e como
adquiri-lo de modo natural
Identificar problemas e resolver
Conhecimentos essenciais
Resolvendo problemas
LIÇÃO DE CASA
Lição 5 – Criatividade na busca e produção de conteúdo
O que é criatividade
O medo e os hábitos são os grandes bloqueios
Checklist para criatividade no texto
LIÇÃO DE CASA
Lição 5 – Usando estruturas básicas de texto
Estruturas e sua importância
LIÇÃO DE CASA
Lição 7 – Textos adequados aos dias de hoje
Estética da época
Comportamento dos leitores
Fragmentação do texto
LIÇÃO DE CASA
Lição 8 – Principais derrapadas na redação e como evitálas
Derrapadas no texto
Fontes de ambiguidade
Cacófatos
LIÇÃO DE CASA
Lição 9 – Escrevendo um texto longo
Problemas dos textos longos
Bom planejamento é a solução
Elaboração em 7 etapas
LIÇÃO DE CASA
Lição 10 – Usando a escrita como ferramenta de
promoção na carreira
Amplie sua competência e use-a
Palavra final
Anexo 1 - Guia para o aprendizado mais fácil de
gramática
Este guia
Caminhos de aprendizado
O caminho da prática
Estratégia de aprendizado
Autodidatismo
Dois livros de gramática
Livros sobre erros
Sites de gramática
Testes
Material de consulta
Correções do Word
O autor

Este curso
O Curso Prático de Redação compõe-se de dez lições
escritas, acompanhadas de exercícios, e dez vídeos curtos
e diretos sobre cada um dos tópicos. Foi elaborado com
base na prática do autor, profissional da escrita. Ao final
do texto, você encontra um anexo com o e-book Guia para
o aprendizado mais fácil de gramática.
Abaixo o link para os vídeos (pede-se que você
compartilhe apenas com pessoas de seu relacionamento
próximo, a quem eventualmente queira mostrar o curso).
https://www.youtube.com/playlist?
list=PLzRdCKVxgHrJTLFsdFUSnVHRbR_haeOa0

Lição 1 – Sem planejamento não dá
Começando errado
Frequentemente apresento seminários presenciais de
redação. A primeira coisa que faço é pedir às pessoas que
escrevam um texto de apresentação pessoal. Com
raríssimas exceções, as pessoas começam a escrever
imediatamente, sem fazer um plano do texto. Está errado.
Ao começar sem um plano a pessoa vai escrevendo de
modo errático, à medida que as ideias vão surgindo, e
frequentemente o texto final apresenta algum ou alguns dos
seguintes vícios:
Ausência de ideias ou informações relevantes
Presença de ideias ou informações menos relevantes
Desproporção no tamanho dos tópicos
Ênfase onde não é apropriado
Falta de ênfase naquilo que realmente importa
Sequência imperfeita
Nunca comece sem um plano. Em todos os concursos,
seleções, vestibulares há papel para rascunho – e ele deve
ser usado, primeiramente, para se fazer o plano do texto.
Também na redação profissional sempre é possível fazer
um plano antes de começar a escrever.
Acredite no planejamento. Com o tempo você vai
perceber que se mantiver a disciplina nessa atividade seus
textos melhorarão muito. Ao planejar regular e
sistematicamente você começará a perceber cada vez
melhor as regras básicas de qualidade do conteúdo, da
proporção e sequenciamento do texto. Com o passar do
tempo, fazer bons planos ficará cada vez mais fácil.
O plano, em três etapas
Quando você for fazer qualquer tipo de texto de alguma
importância, faça um plano, em três etapas:
1. Decida o que deve constar no texto
2. Decida a ordem dos tópicos
3. Decida o peso a dar em cada um dos tópicos
O que deve constar no texto
Você vai fazer uma lista das coisas que devem constar no
texto. Duas alternativas:
a) Você fez alguma pesquisa e tomou notas? Se sim,
dê uma olhada geral nessas notas e vá fazendo uma
espécie de rascunho da lista, com os tópicos que
inicialmente julga relevantes para o texto. Quando
terminar de fazer a lista dê mais uma olhada para ver
se tudo que é importante consta nela e se há coisas
que são menos relevantes e podem ser tiradas.
b) Se você não fez nenhuma pesquisa e vai recorrer
somente àquilo que tem na mente, pense, reflita com
atenção, procure liberar sua criatividade e coloque
na lista o maior número possível de tópicos. Depois
de ter feito isso, dê uma olhada final para ver se não
faltou nada de importante ou se há coisas menos
relevantes para tirar.
Decidindo a ordem dos tópicos
Agora que você tem uma lista dos tópicos a tratar no texto,
decida qual vai ser a ordem desses. Decida inicialmente o
tópico que deve vir em primeiro lugar – e escolha para
essa posição algo de peso, para segurar o leitor logo de
início. Depois, vá numerando os demais tópicos, na
sequência que se mostre mais adequada para levar adiante
sua mensagem.
Do ponto de vista prático, se se trata de um texto escrito a
mão, usualmente (após fazer a lista) costumo numerar os
tópicos à direita, colocando os números dentro de
círculos. Isso facilita a visualização da ordem.
Decidindo o peso
Com os tópicos já ordenados na lista, analisa-se o todo e
cada um dos itens e decide-se o peso que tópico deverá
ter no texto final. Se estiver escrevendo à mão coloco o
peso igualmente à direita, dentro de um quadrado. Defino
o peso em linhas, parágrafos ou páginas.
Fazendo o plano
Um jeito prático e rápido de planejar. No caso abaixo,
estou elaborando um texto de oito páginas sobre marketing digital
para pequenas empresas. O plano mostra a ordem dos tópicos
E qual a dimensão de cada tópico, em páginas.

Sumário inicial
Na verdade, o que é o plano? Nada mais que um sumário
do texto – uma estrutura de tópicos ordenada, com a
sequência que se mostre mais lógica e o adequado
dimensionamento. Sumário é o popular “índice” que se
encontra no início de cada livro. Na verdade, o nome
certo é sumário, pois índice tem outros sentidos.
Quando se trata de um texto mais longo é útil passar o
sumário a limpo, já com a ordem adequada. Esse sumário
será provisório, porque no decorrer do texto pode ser que
se mostre interessante fazer uma ou outra mudança.
Veja como ficou meu sumário do exemplo acima, com
breve resumo do que pretendo tratar em cada unidade:
Sumário
1. Advento da internet – ½ página – Discorrer sobre o
impacto que o surgimento da internet trouxe para os
negócios e o marketing.
2. O que é marketing digital – ½ página – Apresentar
o conceito de marketing digital.
3. Características do marketing digital – ½ página –
Falar sobre as características do marketing digital,
comparando-as com as do marketing tradicional.
4. Vantagens do marketing digital – ½ página –
Apresentar as principais vantagens do marketing
digital – Personalização, controle dos resultados,
preço, flexibilidade.
5. Tipos de ações do marketing digital – 1 página –
Discorrer sobre divulgação, vendas e formação de
comunidades no contexto do marketing digital.
6. Práticas principais do marketing digital - casos – 1
página – Apresentar um exemplo de atuação em rede
social, um exemplo de atuação em site e um exemplo
de blog promocional.
7. Redes sociais – 1 página – Mostrar de modo sucinto
as práticas mais adotadas de marketing em redes
sociais.
8. Sites e blogs – 1 página – Mostrar de modo sucinto
as práticas mais adotadas de marketing em sites e
blogs.
9. Acessível aos pequenos – ½ página – Discorrer
sobre a viabilidade o potencial do marketing digital
para pequenas empresas.
10. Como iniciar – 1 e ½ página – Mostrar passo a
passo como uma pequena empresa pode começar a
atuar eficientemente no marketing digital.
Na Lição 9 – Escrevendo um texto longo voltaremos a
este assunto, acrescentando detalhes específicos.
LIÇÃO DE CASA
1. Assista ao vídeo 2 – O plano é essencial
2. Faça um plano de uma carta de candidatura a uma
vaga. Você soube, por meio de seu amigo Geraldo da
Silva, que a empresa Hipotética Ltda., precisa de
uma pessoa com o seu perfil. Você vai escrever para
o dono da empresa, João Aguiar, candidatando-se ao
cargo. Não escreva a carta: faça só o plano. Você
vai escrevê-la apenas no final da próxima lição. Use
o que você aprendeu nessa lição para fazer o plano.

L

ã
o
2

P
o
n
h
a
in
fo
r
m
a
ç
ã
o
d
e
v
a
lo
r
n
o
s
e
u
t
e
x
t
o
Platitudes, blá-blá-blá e achologia
Platitudes são coisas banais, sem relevância ou
profundidade. Blá-blá-blá é conversa fiada, vazia, que dá
voltas e não chega a lugar nenhum. Achologia não tem no
dicionário: vem de acho + logia e é o discurso do
palpiteiro, que sempre apresenta o que acha, suas
opiniões, sem fundamentação. Esses vícios são comuns e
contribuem decisivamente para a má qualidade de textos
de todas as áreas.
Cuidado com as platitudes
A alimentação saudável é essencial.
É preciso ter objetivos claros.
Alguns consideram que a medida governamental
está no rumo certo, outros a consideram um erro.
É preciso priorizar as coisas mais relevantes.
O que essas frases conseguem trazer de novo a alguém?
Nada. São platitudes, banalidades. Seria diferente se os
textos fossem assim:
Pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde mostrou que
perto de 80% dos brasileiros não consomem a quantidade
de frutas e hortaliças recomendada pela OMSOrganização
Mundial de Saúde, que é de cinco porções
por dia.
Há o problema da falta de objetivos ou da falta
de clareza nesses, conforme se verá no caso do
empreendedor que apresentou oito objetivos, nenhum
deles suficientemente claro.
Dentre os que apoiam a medida governamental,
destacam-se Fulano, Sicrano, Beltrano. Entre os que
não a veem como capaz de atingir os resultados
esperados, estão X, Y e Z.
Quando percebi, pelas palavras do médico, que
poderia morrer constatei com grande clareza que
estava me dedicando a coisas completamente sem
sentido para mim. No dia em que recebi alta e
percebi que estava vivo, marquei a viagem, assumi
de vez a ideia de fazer doutorado, telefonei para meu
amigo e....
Todos corremos o risco de escrever inutilidades. É
preciso manter a vigilância contra elas. No lugar de
banalidades, informação baseada em fatos, números,
opiniões fundamentadas de terceiros, casos, experiências
pessoais.
Blá-blá-blá
O professor precisa ser valorizado porque é ele
que cuida da formação das novas gerações, das
pessoas que vão tocar o país amanhã, e quando ele é
desvalorizado as novas gerações não se preparam
adequadamente para o desafio, deixando de cumprir
sua sagrada missão.
O casamento une duas vidas, que agora se tornam
uma só, mas essa união se dá apenas se houver amor
e compromisso, sendo que esses dois ingredientes
não só devem ser o propósito dos noivos, mas são na
prática o cimento do matrimônio.
Juro que já ouvi ou li coisas desse tipo. Cá entre nós,
seria muito melhor ter o que dizer e falar ou escrever sem
enrolação, certo? São banalidades que todos dizem e,
exatamente por todos dizerem, perdem o valor. Seria
muito melhor ler um texto com números, fatos, opiniões de
pessoas qualificadas, etc. No caso da segunda frase:
lógico que o casamento une duas vidas, evidente; não se
tornam uma só coisa nenhuma – bobeira total; é banal
dizer que a união será boa se houver amor e
compromisso... enfim, blá-blá-blá.
Combatendo a achologia
Nossos produtos primam pela qualidade.
Essa frase inocente é um mau começo para o texto. Quem
é que deve julgar a qualidade dos produtos da empresa?
Os clientes, certo? Quando os dirigentes falam bem de sua
própria empresa estão apenas dando opiniões – em causa
própria. Quem fala bem de si mesmo não merece
credibilidade. Na mesma linha, o candidato solicitado a
escrever uma carta de pedido de emprego, diz:
Sou uma pessoa comprometida, criativa e
cooperativa.
Só faltou o candidato dizer mais uma coisa boa sobre si
mesmo: que é modesto! Na verdade ele está tentando
parecer um bom candidato aos olhos do potencial
empregador. Se do outro lado da linha houver alguém com
senso crítico, essa pessoa pensará o óbvio: que essas
afirmações são meros palpites, propaganda em causa
própria. Se esse selecionador levar a coisa a sério para
valer vai concluir que o candidato não serve para cargos
de maior compromisso, porque ou é metido, “se acha” ou
é ingênuo.
Outro exemplo:
O brasileiro é criativo: sempre busca um
“jeitinho” para dar a melhor solução ao problema.
Quando ouço frases assim costumo perguntar: Isso é uma
constatação científica ou apenas a manifestação de um
consagrado sábio? (rs) As pessoas formam palpites sobre
tudo, mas, na maioria das vezes os palpites não têm
fundamento. Isso não quer dizer que opiniões não tenham
valor. Se o antropólogo Roberto da Matta falar sobre o
caráter do brasileiro, certamente essa é uma opinião a ser
considerada, porque: a) ele passou a vida toda estudando
o assunto; b) ele tem compromisso com a ciência e não sai
por aí falando de modo impensado e inconsequente.
Os cientistas já comprovaram a existência de
Deus.
Quais cientistas? Onde há o relato das conclusões deles?
Na verdade as pessoas buscam autoridade da ciência para
justificar coisas em que desejam acreditar. Independente
do fato de Deus existir ou não, a frase acima é pura
achologia.
O impeachment não tem base legal.
Não? Quem afirma tem autoridade na área do direito
constitucional ou é apenas alguém que leu essa afirmação
em algum lugar e a está passando adiante?
As pessoas hoje estão perdidas, confusas, e
sentem um vazio existencial.
E você, se sente assim? Eu não sinto nada disso: sei o que
está acontecendo, não tenho vazio nenhum, etc. Isto é, essa
frase peca por falar das outras pessoas sem verificar se
elas efetivamente sentem aquilo que se imagina. Pode ser,
mas pode não ser nada disso.
Algumas regras práticas:
Evite opinar favoravelmente em causa própria.
Só o faça nas circunstâncias certas, do modo certo,
buscando justificação para suas afirmações. É uma
pessoa comprometida? Baseado em que você diz
isso? É criativo? Quais conquistas reais o
demonstram? É cooperativa? Qual é a opinião das
outras pessoas sobre isso?
Evite opinar sobre problemas complexos que
você não tenha estudado. Apresente a opinião de
gente autorizada.
Em vez de falar de coisas de que não conhece,
fale de algo que você conhece: seus próprios
interesses, visões, sentimentos. Por exemplo, você
estará sempre com legitimidade quando disser coisas
como: “Essas questões econômicas são muito
complexas e não tenho condições técnicas para
apresentar uma opinião. Mas, meu sentimento é de
que o ministro e os demais partidários dessa ideia
estão com a razão. É uma questão subjetiva: confio
neles.”
Vejamos diferentes modos de falar:
Em vez de falar... Você poderia dizer...
Nossos produtos primam
pela qualidade.
Isso é opinião que precisa ser
justificada.
Nossos produtos
receberam o selo de
qualidade superior da
Associação Internacional
de XYZ.
Isso é fato que mostra que os
produtos são bons. Não precisa
dizer que são bons, pois o selo o diz.
Sou uma pessoa
comprometida, criativa e
cooperativa.
Isso precisa ser comprovado. Afinal,
a tendência natural é que a pessoa se
superestime.
Ultimamente tenho
trabalhado das 8 da manhã
às 22 horas, porque a
empresa está precisando
de um esforço extra.
Embora eu esteja
pretendendo sair, preciso
ajudá-la até meu último
dia. Lá tive oportunidade
para realizar muita coisa
de que gostei. Ganhei três
prêmios por ideias
apresentadas no plano de
sugestões.
Fatos, coisas que está fazendo ou
fez. Isso fala mais alto que qualquer
opinião.
O brasileiro é criativo:
sempre busca um “jeitinho”
para dar a melhor solução
ao problema.
Qual é a base de comparação que
demonstra que o brasileiro é criativo?
Há algum estudo sério sobre o
assunto?
Um teste de criatividade
aplicado a 16.000 alunos
de segundo grau mostrou
que...
Pesquisas, publicações em revistas
científicas, opiniões de especialistas,
isso sim é base para boas
afirmações.
Os cientistas já
comprovaram a existência
de Deus.
Como é possível fazer uma
comprovação dessas? Quais
cientistas?
De acordo com diretrizes
da Sociedade Brasileira
de Cardiologia, o consumo
de ovo deve ser de até um
por dia para população em
geral e restrito para
diabéticos.
Quem discorda, que vá discutir com
a Sociedade Brasileira de
Cardiologia, uma fonte confiável
para esse tipo de informação.
Assim, a informação não é um
palpite.
O impeachment não tem
base legal.
Advogados com elevada qualificação
divergem entre si. Quando a
afirmação vem de quem nunca
estudou direito constitucional (ou
estudou apenas alguns anos) soa
como palpite arrogante.
A OAB-Ordem dos
Advogados do Brasil
declarou que...
Quando não temos autoridade sobre
um assunto, a única maneira de não
ser palpiteiro é buscar opinião de
quem é autorizado.
As pessoas hoje se acham
perdidas, confusas e sentem
um vazio existencial.
Não seise é verdade. Só sei que se
você falar o que vem aí na segunda
coluna ninguém poderá contestar.
Eu me sinto perdido,
confuso, com um vazio
existencial.
Uma expressão pessoal genuína e
verdadeira poderá ter valor. Ela cria
empatia.
LIÇÃO DE CASA
1. Assista ao vídeo 3 – Ponha informação de valor no
seu texto
2. Com base no plano que você fez no final da Lição 1,
no modelo de carta que foi apresentado, nos
conhecimentos adquiridos na presente lição, e nas
dicas que o vídeo 3 trouxe, escreva uma carta de
pedido de emprego.
Lembre-se:
Você soube, por meio de seu amigo Geraldo da
Silva, que a empresa Hipotética Ltda., precisa de
uma pessoa com o seu perfil. Você vai escrever para
o dono da empresa, João Aguiar, amigo de Geraldo,
candidatando-se ao cargo.
Faça seu exercício com envolvimento e disciplina. Se
possível, faça-o em Word e guarde-o em uma pasta
específica.

L

ã
o
3

P
a
la
v
r
a
s
,
fr
a
s
e
s
,
p
e
r
í
o
d
o
s
,
p
a
r
á
g
r
a
fo
s
Palavras
Do ponto de vista prático há dois tipos de vocabulário – o
ativo, que é o das palavras que a pessoa efetivamente usa,
e o passivo, formado pelas palavras que ela conhece mas
não usa. Por exemplo, a maioria das pessoas usa
raramente as palavras entretanto e contudo, embora
conheça perfeitamente seus sentidos. Fica-se mesmo é
com mas e porém.
Aqui vão duas dicas:
É importante passar palavras do vocabulário
passivo para o ativo. O jeito certo de fazer isso é
passar a usar essas palavras, pois o uso repetido é
que as torna mentalmente disponíveis na hora de
escrever ou falar.
Depois de elaborar um texto importante, faça uma
leitura atenta e risque as palavras das quais você
conhece sinônimas e substitua-as por essas.
A escolha e o uso adequados das palavras tornam o texto
não só mais claro mas também mais expressivo e elegante.
Não seja pedante
O ideal é não tentar mostrar erudição, capacitação técnica
ou sofisticação intelectual por meio das palavras
escolhidas. O bom conteúdo é o único caminho para
alguém conquistar o aplauso. Assim, tenha um bom
conteúdo, mas fale de modo simples e inteligível. Use
palavras mais “difíceis” apenas em textos destinados a
público qualificado – e só quando necessário.
Em vez de... É preferível
Consonância Acordo
Encaminhamento Envio
Emparelhar Igualar
Obstaculizar Impedir, dificultar
Prolegômenos Noções básicas,
introdução
Conjectura ou conjetura Suposição, presunção
Ilação Conclusão, dedução,
inferência
Terminação Chegar ao fim, concluir,
finalizar
Não seja simplório
Por outro lado, uso de gírias, palavras vulgares, termos e
expressões excessivamente desgastadas pelo uso (clichês
ou lugares-comuns), empobrece o texto, compromete sua
expressividade e elegância. Assim, na escolha das
palavras, não sofistique, mas também não vulgarize, não
opte pela fala simplória.
Exemplos de palavras e expressões a evitar:
Chega ao fim a novela do impeachment/do
assassinato/do julgamento/do conflito, etc.
Desde os primórdios, o homem buscou resolver
seus problemas por meio de....
A empresa fechou o ano com chave de ouro.
Ressurge o fantasma da
ditadura/inflação/recessão, etc.
Agora é necessário colocar a casa em ordem.
Voltaram à estaca zero.
O técnico notou que seria necessário correr atrás
do prejuízo.
O restaurante tem uma das melhores feijoadas da
cidade. Venha conferir.
Precisamos pensar fora da caixa, pois, fracassar
não é uma opção.
Fuja da “cultura” vulgarizada!
Há expressões de grandes pensadores, poetas,
romancistas, que caem no gosto popular e passam a ser
usadas exaustivamente. Fuja delas, porque vulgarizam
seu texto. Exemplos:
Só sei que nada sei. (Sócrates)
Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.
(Fernando Pessoa)
Há mais mistérios entre o céu e a terra do que
supõe nossa vã filosofia. (Shakespeare)
Pessoas que têm consagrado domínio da escrita usam
gíria, expressões populares e até lugares-comuns, mas o
fazem de modo certo, no contexto adequado. Deixe isso
para gente que tenha um elevado domínio da língua.
Não seja vago
Combine palavras como estratégia, estrutura, dinâmica,
sistêmica, sinergia, modelo, paradigma, totalização,
parâmetros, organização, fenômeno e suas derivadas,
ponha nas frases alguns verbos e você consegue falar nada
por muito tempo. Não há naturalmente palavra sem
sentido, mas, essas e outras similares foram usadas em
muitos sentidos diferentes e têm alto grau de abstração.
Com isso tornaram-se palavras perigosas, com alto
potencial para levar a textos vagos e sem sentido. Por
exemplo:
A sinergia decorrente da junção entre uma
estratégica dinâmica e sistêmica e um modelo
estrutural de organização consolidado é condição
para inovação e sustentabilidade.
Quando usar uma palavra que costuma ter muitos sentidos,
defina-a imediatamente. Exemplo:
Qualquer estratégia, aqui entendida como o
conjunto das grandes decisões de uma empresa, traz
riscos.
A estrutura, isto é, o conjunto das normas,
processos, atribuições de poder e responsabilidade
que regulam o hospital, afeta decisivamente o
desempenho das equipes.
Prefira fatos e números a opiniões
Especial cuidado deve ser tomado com o emprego de
adjetivos e advérbios, porque esses refletem opiniões – e
não têm precisão. O leitor prefere ter suas próprias
opiniões e gostaria mais é de receber boas informações
do redator.
Lembrando
Adjetivo – Palavra que atribui qualidade a um
substantivo. Exemplos: Homem alto, mulher
bonita, ideia inviável.
Advérbio – Palavra que modifica o sentido de
um verbo ou intensifica o significado de um
adjetivo ou outro advérbio. Exemplos: João
escreve bem; Maria gosta muito de ler; Pedro é
muito culto. Pode também modificar uma frase
toda, como, por exemplo: Infelizmente, nem
sempre os professores falam sobre a matéria.
Assim:
Em vez de dizer... É melhor dizer...
O porteiro é muito alto. O porteiro tem 1,94m.
Maria é bonita. Maria foi eleita a mais
bonita do colégio três
vezes.
Resolveremos isso
rapidamente.
O problema será
resolvido em, no máximo,
45 minutos.
Cuidado com palavras que levam a duplo sentido
Há palavras que costumam gerar duplos sentidos nos
textos, como: Seu, sua, dele, dela, somente, apenas.
Exemplos:
Frase O que quer dizer?
O diretor disse a João que
seu cargo seria extinto.
Qual cargo será extinto – o
de João ou o do diretor?
Nelma pediu à filha que
fossem no carro dela.
De quem é o carro – de
Nelma ou da filha?
O treinador apenas
almejava a consolidação
Só o treinador almejava a
consolidação da equipe ou
da equipe. o treinador almejava só a
consolidação da equipe?
Deve-se tomar especial cuidado com aquelas palavras
que geram duplos sentidos maliciosos. Exemplos:
Ela estava com muita dificuldade para ganhar a
vida, mas quando abriu o negócio tudo mudou.
O noivo disse: Sim, eu a amo e como!
Evite chamar a atenção pela excentricidade
Por fim, cuidado também com palavras estranhas, fora de
uso. Exemplos:
Sói acontecer o pior nessas ocasiões.
Ela dispunha de parcos recursos.
Com arroubo, recebiam as notícias do país.
Apraz-nos comunicar que V.Sa. ganhou o
prêmio...
Frases ou orações e períodos
Definimos aqui frase ou oração como um enunciado que
contém uma ideia completa. Exemplo:
Meu nome é José Antônio Rosa.
Pode ter uma só palavra:
Cuidado!
Eu poderia colocar duas frases juntas, ligadas por uma
conjunção. Exemplo:
Meu nome é José Antônio Rosa e moro em São
Paulo.
Formaria, então, um período contém uma ou mais frases
ou orações. Vejamos três períodos:
Pedro trouxe os livros. Maria trouxe o laptop.
João veio só com a boa vontade.
Fica ridículo, certo? São três frases e também três
períodos. Não se deve escrever uma sequência de
pequenos períodos simples (com apenas uma oração).
Poderia ser um período maior, com três orações.
Exemplo:
Pedro trouxe os livros, Maria trouxe o laptop e
João veio só com a boa vontade.
Agora, suponhamos que alguém escrevesse a seguinte
frase:
Maria não veio; José fez o pagamento.
O fato de as duas frases estarem juntas dá a ideia de que
há ligação entre elas, certo? Mas, não há palavra alguma
fazendo essa ligação. Assim, a frase só é plenamente
compreendida por pessoas que conhecem o contexto.
Vejamos como essa mensagem, dependendo das palavras
de ligação, poderá tomar três sentidos diferentes:
Maria não veio porque José fez o pagamento.
Maria não veio, mas José fez o pagamento.
Maria não veio; logo, José fez o pagamento.
Atenção: Note que as palavras que ligaram as frases
fizeram uma grande diferença. No primeiro caso, a frase
indica a causa de Maria não ter vindo; no segundo, indica
que, apesar de ela não ter vindo, José fez o pagamento; no
terceiro, indica-se a razão pela qual José fez o pagamento.
Logo, esse tipo de palavra é muito, muito relevante – são
as conjunções. É a palavra que liga duas orações ou
termos semelhantes de uma mesma oração. Exemplos:
É necessário marcar o dia da reunião e avisar
todos. (ligando duas orações, dentro de um mesmo
período)
Trouxe café e biscoitos.
Agora, imaginemos duas frases ou orações dentro de um
período:
Meu nome é José Antônio Rosa, embora nem
sempre se possa viajar com muito dinheiro.
Parece piada, certo? Pois, esse é um truque de construção
de piadas. Por que parece piada? Porque a primeira frase
não tem nada a ver com a outra: estão ligadas, há uma
construção gramaticalmente correta, mas é uma mensagem
maluca. Como a que muitas pessoas fazem quando se
distraem ao longo de grandes períodos!
Por fim, é importante ter em mente que há uma ordem
natural na oração, que é sujeito, verbo e complemento.
Esta deve ser mantida, se queremos que o texto saia mais
claro e didático. Inverter essa ordem é legítimo e poderá
ser um bom recurso para dar maior expressividade ao
texto, mas, frequentemente as inversões mais atrapalham
que ajudam, principalmente quando feitas por pessoas
menos treinadas na redação.
Algumas dicas:
Atenção para manter a adequada conexão entre as
orações dentro do período.
Use palavras de ligação adequadas. Procure
conhecê-las bem, entender exatamente seu sentido,
passá-las a seu vocabulário ativo - e faça delas
ferramentas para construção de períodos claros,
elegantes, vigorosos.
Faça períodos do tamanho certo: de duas e meia a
três linhas. Por quê? Primeiro, porque essa extensão
resulta em ritmo bom – um ritmo natural e didático
da fala. Segundo porque uma sucessão de períodos
curtos resulta em leitura tensa e texto final maior.
Terceiro, porque com esse tamanho, é muito menos
provável que você se perca e acabe criando períodos
sem pé nem cabeça. Por fim, períodos dessa
dimensão ajudam quem está lendo a não se perder
também, obtendo maior entendimento.
Parágrafos
Parágrafo é uma unidade de composição que contém um
ou mais períodos que tratam de uma ideia central e ideias
relacionadas. Em princípio, para cada ideia (ou parte de
uma ideia), um parágrafo. Acima propusemos que cada
período tenha entre duas e meia a três linhas. Agora,
proporemos que o parágrafo tenha entre dois ou três
períodos. Assim ficará entre seis e nove linhas. Por quê?
Por duas razões principais:
1. O parágrafo é também uma marcação gráfica. Indica
o início e o fim de um bloco de texto específico.
Parágrafos longos tornam a diagramação do texto
pesada e o leitor tende a ficar com má vontade para
ler.
2. Parágrafos muito curtos tornam o texto final muito
longo e produz uma dispersão nas ideias, criando
algum grau de confusão.
A frase ou período que expressa a ideia central do
parágrafo chama-se tópico frasal.
Exemplo:
A cada dez anos, a participação feminina
aumenta 15 pontos percentuais. O aumento
se dá em todas as idades, inclusive entre as
mais velhas. Em 1970, a proporção de
mulheres de 50 a 59 anos que trabalhavam
era de apenas 15,4%; em 2002 foi de
50,1%. Entre as que tinham 60 anos ou
mais, a proporção saltou de 7,9% para
19,7%, grande parte aposentadas.
José Pastore
O trabalho da mulher
O Estado de S. Paulo, 6/3/2007.
www.josepastore.com.br
A frase em azul é o tópico frasal. As outras giram em
torno dela. O tópico frasal pode vir em qualquer lugar do
parágrafo, mas, se o colocarmos logo no início o texto
fica mais didático, claro, e a leitura fica mais confortável
porque o leitor conseguirá encaixar as coisas com mais
facilidade em um quadro lógico.
Os parágrafos, assim como as palavras e orações, devem
ter ligação entre si, porque todos são partes de um mesmo
texto. O redator deve ficar atento para ver se essa ligação
está bem estabelecida e clara na cabeça do leitor. Se não
estiver ou se houver possibilidade de o leitor ter
esquecido, o redator deve ser explícito para deixar tudo
bem ligado.
Exemplos:
1
No texto abaixo, o primeiro parágrafo termina jogando um
grande foco em Ulysses Guimarães. O segundo vai dizer
quem é ele. No caso, autor não teve de fazer nenhuma
ligação explícita, porque simplesmente retomou o assunto.
‘Ulysses’, o histórico romance de James Joyce,
com os seus 18 capítulos, é uma das obras
literárias mais conhecidas da humanidade. No
Brasil, a tradução do imortal Antônio Houaiss,
colocando em língua portuguesa os 18 cantos da
“Odisseia”, de Homero, tornou mais acessível
esse importante trabalho. Mas, cá entre nós, o
nosso povo tem mesmo orgulho é de outro
Ulysses — o Guimarães —, que se vivo fosse
estaria agora comemorando os seus primeiros
100 anos de vida.
A democracia brasileira deve muito a Ulysses
Guimarães. Não é à toa que ele foi chamado de
“Senhor Diretas” ou “Senhor Palavras”, pois
foram muitos os seus discursos que se tornaram
históricos. Quando morreu Tancredo Neves, por
pouco ele não se tornou presidente da
República. Agora, estamos comemorando os
seus 100 anos (dia 6 de outubro). Quis o
destino, no entanto, que ele tivesse morrido
antes, no dia 12 de outubro de 1992, no trágico
desaparecimento do helicóptero em Angra dos
Reis. Só o corpo de Ulysses não foi descoberto
até hoje.
A odisseia do nosso Ulysses
Arnaldo Niskier
O Globo – 12/10/2016
http://www.academia.org.br/artigos/odisseiado-nosso-ulysses
2
Neste segundo exemplo o autor estaria discorrendo sobre
um conjunto de seis fatores que levam uma empresa ao
sucesso. No decorrer do texto apresenta-os em dada
ordem e esclarece sua relação com o desempenho da
organização. A cada novo tópico, procura voltar à base,
para ajudar o leitor a fazer um quadro intelectual
adequado.
Continuando nossa análise sobre as seis
condições de sucesso da empresa, destacamos
agora a quarta, a cultura. Esta pode ser definida
como a maneira de sentir, pensar e agir de uma
comunidade e toda empresa necessariamente
tem uma cultura. Quando esta se caracteriza
pelo envolvimento do pessoal com as metas
organizacionais.....
Em resumo, vamos a algumas dicas finais desta lição:
Busque palavras que sejam conhecidas do leitor,
variando com sinônimos. Evite as estranhas,
“difíceis”, capazes de gerar ambiguidade, etc.
Especial cuidado com as conjunções, para fazer as
ligações adequadas entre as orações e termos.
Faça períodos de duas linhas e meia a três linhas e
parágrafos de dois ou três períodos.
Use um tópico frasal logo no início de cada
parágrafo.
LIÇÃO DE CASA
1. Assista ao vídeo 4 – Ritmo, força, clareza e elegância.
2. Tome a carta que escreveu ao final da lição 2. Você vai
corrigi-la. Guarde uma cópia da carta original, do jeito
que ela está agora, e tome uma cópia nova para corrigir.
As orientações para correção são as seguintes:
1. Vá à internet, entre no link a seguir, sobre
pontuação, e leia. Assim você terá melhores
condições de saber se pontuou certo. Note que ao
final de cada página do link há um botão para
passar à próxima (são 5 ao todo, arejadas e fáceis
de ler). O link:
http://www.soportugues.com.br/secoes/fono/fono30.php.
2. Depois, da leitura, comece a corrigir seu texto,
primeiro pela pontuação. Lembre-se: a cada duas
linhas e meia ou três linhas, um período (logo, um
ponto final).
3. Veja se os parágrafos estão no tamanho correto –
dois ou três períodos, isto é, entre seis e nove
linhas.
4. Veja se usou tópicos frasais logo no início dos
parágrafos. Se não, tente usar.
5. Em seguida, verifique se há palavras que você
possa substituir por sinônimas.
6. Na sequência, veja se colocou alguma palavra
estranha, “difícil”, capazes de gerar ambiguidade,
etc. Se sim, mude.
7. Por fim, veja se as ligações entre as orações,
dentro do período, e os períodos, dentro do
parágrafo estão bem feitas. Especial cuidado com
as conjunções, para fazer as ligações adequadas
entre as orações e termos.

Lição 4 - Conhecimento essencial de
gramática e como adquiri-lo de modo natural
Identificar problemas e resolver
Para escrever os textos da vida prática a pessoa não
precisa saber o que é um anacoluto ou uma silepse, e nem
precisa saber que a pessoa que nasceu em Salvador é
soteropolitana. Mas, será essencial ou muito desejável
saber algumas coisas que farão a diferença:
Armadilhas e erros potenciais da gramática
Qual é o problema, quando estiver com um
problema a resolver
Onde e como procurar a solução para os
problemas
Vejamos:
Armadilhas e fontes de erros potenciais da gramática
Há na língua aqueles pontos causadores de dúvidas
crônicos. Por exemplo:
Qual é o nome dado a quem nasceu em Belém, na
Palestina? E à pessoa originária de Belém, no Pará?
Não há regras. A única maneira de saber isso é ter
tido contato com essa informação - pela leitura, pela
mídia, pelos relacionamentos. Assim, quando for
escrever seu texto e deparar-se com a necessidade de
indicar o adjetivo pátrio de alguém, consulte. Eu
consulto sempre. Sabe como? Adiante voltaremos ao
assunto.
Outra armadilha tradicional é o uso da crase. A
crase é a união de uma preposição com um artigo no
feminino. Então, preciso ver se o verbo pede a
preposição e se o substantivo ou adjetivo pede o
artigo. Assim, você deve escrever: “Vou a Salvador”
e “Vou à Argentina”. Primeiro, porque Salvador é
usada sem artigo (Ninguém diz: A Salvador é uma
cidade bonita), então, só há o a preposição do verbo
ir – não precisa da crase. Segundo, porque
Argentina, sim, pede artigo e este se encontra com o
a preposição do verbo ir; logo, há a crase. Como é
impossível lembrar da regência de todos os verbos e
nomes é melhor consultar sempre.
É fundamental ter uma boa percepção, um “sexto
sentido”, um desconfiômetro para saber onde pode
aparecer erro. Com essa mente desconfiada, o redator
consulta e evita erros. Como ele saber quais são os pontos
causadores de dúvidas crônicos? Como posso estudá-los?
Logo à frente você terá sua resposta.
Qual é o problema
Responda ou complete as frases:
1. Eles _____ pelo lado errado. (presente do verbo
ver)
2. Quando eu _____o doutor João aviso. (futuro do
subjuntivo do verbo ver)
3. Refiro-me ___ carta entregue por Maria. (a, com
crase ou sem crase)
4. O certo é ínterim ou interim?
5. O governo está no fim. A queda é _____________.
(eminente ou iminente)
O que está envolvido na solução desses problemas? Nos
casos 1 e 2, trata-se de grafia dos tempos verbais,
acrescentando-se aqui que são duas armadilhas ou fontes
de erros clássicas. No caso 3, questão envolve regência
do verbo referir e uso de artigo. No caso 4, o problema é
vocabulário – sentido e pronúncia das palavras – e regras
de acentuação. Por fim, o caso 5 diz respeito aos
parônimos, também grandes criadores de dúvidas e erros.
O redator tem de saber onde – na gramática – se localizam
os problemas, para procurar a solução de modo rápido e
acertado.
Como buscar a solução
Se for questão de grafia de palavras (não de tempos
verbais) a solução está no Volp e pode ser acessada com
enorme rapidez, pela internet, até mesmo com celular
(veja adiante, na Lição de Casa). O que é Volp?
Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa – a lista
oficial das palavras que existem na norma culta do
português. O VOLP é mantido pela Academia Brasileira
de Letras. Se o problema for a grafia do verbo, a solução
está na conjugação – que também poderá ser obtidas de
modo rapidíssimo.
O redator precisa ter o conhecimento suficiente das fontes
de informação para buscar as soluções. Mais adiante
voltaremos à questão.
Conhecimentos essenciais
A pessoa que tiver tempo e interesse, deve tomar, por
exemplo, a Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo
Bechara, ou outra das boas gramáticas que existem no
mercado e fazer um estudo calmo, aprofundado e
sistemático da língua. Sugiro que você estude desse modo,
principalmente se for de alguma área de trabalho que
tenha algo a ver com o idioma - jornalismo, editoração,
enfim, que envolva redação de textos de quaisquer
espécies.
Quem não dispõe do tempo – ou não tem maior interesse
(não há nada errado nisso) – deve pelo menos aprender o
essencial para resolver seus problemas de redação do
modo mais rápido e eficiente. Entre os conhecimentos
essenciais destacamos três que terão reflexo imediato na
escrita e facilitarão a busca de solução para outros
problemas específicos:
As classes das palavras
São apenas dez e a compreensão dos conceitos é fácil. Na
minha experiência com alunos já percebi que ao estudar
essa questão a pessoa consegue, com pouco esforço, ter
um significativo ganho na compreensão da gramática. Esse
conhecimento, embora pequeno, vai ajudar a desenvolver
o “desconfiômetro” e a buscar de modo certo e no lugar
certo as soluções para os problemas que aparecem.
Conceitos gramaticais principais
Aqui se incluem os conceitos de tempos verbais, de
concordância e regência. Não estou dizendo que a pessoa
deva saber os tempos verbais do verbo soer ou jazer, por
exemplo. Estou dizendo que ela precisa conhecer o
conceito de tempos verbais, o que quer dizer futuro do
subjuntivo, por exemplo.
Normas básicas de pontuação
Despois que a pessoa entender o que é uma oração, o que
é um período, um parágrafo e passar a adota um parâmetro
de tamanho para essas unidades, a pontuação se tornará
mais fácil. Ela deve conhecer bem os sinais de pontuação
e seu uso. Adquirir esses conhecimentos é muito fácil. Os
sinais não chegam a dez e as regras de uso são simples e
naturais. Na Lição de Casa voltaremos ao assunto.
Resolvendo problemas
Por exemplo, você está escrevendo um texto e coloca a
seguinte frase:
As reclamações relativas as falhas de entrega são
duas.
Pergunta: A frase acima está certa? Não. Onde está o
erro? Faltou a crase em às porque relativo é sempre
relativo a, isto é, este adjetivo é regido da preposição a.
Então, aqui, para evitar a derrapada é necessário que o
redator saiba: a) o que são as preposições; b) o que são
os artigos; c) o que é regência; d) e também precisa
saber que a crase é a junção de uma preposição e de um
artigo. No caso acima:
Relativas a + as falhas = Relativas às falhas.
Como o redator vai saber se um verbo, substantivo ou
adjetivo é regido de preposição – e de qual preposição?
Segredo de redator: tenho dúvidas frequentes. Então, entro
no Google com o seguinte texto (no caso acima):
Regência de relativo. Então, logo aparecem bons sites
mostrando a regência da palavra que estou buscando.
Logo, você não precisa saber as regências, mas precisa
saber que substantivos, adjetivos e verbos podem ser
regidos de preposição e que na internet há orientação á
mão, objetiva, prática e direta para esclarecer se uma
dada palavra é ou não regida e de que preposição. O
importante é ter as dúvidas certas e saber onde e como
procurar o esclarecimento.
Do mesmo modo, quando preciso saber qual é o adjetivo
pátrio da pessoa que nasceu, por exemplo, em Maceió,
meramente escrevo no Google: Adjetivo pátrio de Maceió
e logo aparece lá: maceioense. Ou: Adjetivo pátrio de
Belém, Palestina, e aparece: Belemita.
O assunto não morre aqui. Durante todo o curso irei
apresentar dicas de estudo de português e de
conhecimentos que são essenciais ao redator. Ao final,
você receberá o e-book que vai trazer uma visão
panorâmica da questão: Guia para aprendizado mais
fácil de gramática.
LIÇÃO DE CASA
1. Assista ao vídeo 5 – Aprendendo “de ouvido” - (Já
notou que o professor escreve assista ao vídeo e não
assista o vídeo? É que o verbo assistir, nesse sentido,
é regido da preposição a; do mesmo modo, alguém
assiste ao jogo ou à novela).
2. Busque no Google os adjetivos pátrios das pessoas
que nasceram em Santarém, MA, e Anápolis, GO.
3. Já ouviu a palavra vistar, no sentido de colocar um
visto em algum documento? Pois bem, é um jeito
errado de falar. Não existe o verbo vistar. Existe,
sim, o verbo visar. Esse é o jeito certo de falar.
Como posso saber se uma palavra existe em
português? Busque no Volp, na lista oficial. Entre no
Google e escreva Volp e logo aparecerá o link. Lá,
você acha um espaço de busca onde deverá colocar
vistar e depois visar, para fazer o teste. Você pode
também baixar o aplicativo do Volp e consultar por
meio do seu celular.
4. Entre no site Só Português e veja uma tabela prática
com regência de nomes (substantivos e adjetivos)
que acarretam dúvidas. Copie e cole o link:
http://www.soportugues.com.br/secoes/sint/sint71.php

Lição 5 – Criatividade na busca e produção de
conteúdo
O que é criatividade
Criatividade é, pelo menos, duas coisas: 1) Achar solução
para os problemas; 2) Fazer algo de modo diferente do
usual e melhor. Isso vale para o trabalho de redação. Por
exemplo, temos um problema: Como apresentar um
conteúdo difícil e maçante de modo que a mensagem fique
mais interessante? A resposta eficiente a este problema é
uma solução criativa. Por outro lado, fazer algo de modo
diferente do usual e melhor pode ser, por exemplo,
começar uma carta por um ângulo inesperado. Por
exemplo:
Modo convencional de iniciar a carta de pedido de
emprego:
1. Venho, por meio dessa, candidatar-me ao cargo que
V.Sa. mantém em aberto em seu departamento.
Minhas qualificações....
(No último parágrafo) Informo que obtive o
conhecimento a respeito da vaga do nosso amigo
comum, Geraldo Silva. Por fim, gostaria de
mencionar algo que V.Sa. provavelmente não sabe:
tive o prazer de trabalhar por cinco anos com seu
pai.....
Modo não convencional de iniciar a mesma carta:
Seu pai, com quem aprendi muito nos cinco anos
em que fui seu assistente na Hipotetic, uma vez
sugeriu-me que me expressasse de modo espontâneo
e direto nos momentos importantes da vida, como
este. Assim, sem medo de dizer, venho apresentar-me
como a pessoa certa para ocupar o cargo XYZ, que
me foi indicado por nosso amigo comum Geraldo da
Silva.
Suponhamos que o destinatário da carta a tome no dia em
que está se preparando para uma viagem ao exterior. A
primeira carta tem maior probabilidade de ser encaixada
na documentação a ser vista após a viagem – porque logo
no primeiro parágrafo já se viu do que se trata. Quanto à
segunda, que também diz o propósito no primeiro
parágrafo, provavelmente terá resposta imediata, de algum
modo. É muito mais impactante que a primeira e o
destinatário a tratará com um caráter de maior urgência,
provavelmente. Por que o primeiro redator não usou logo
no início dois cartuchos ótimos que tinha à mão (ter
trabalhado com o pai do destinatário e ser amigo de
Geraldo Silva)? Porque simplesmente não pensou nisso
ou porque teve medo de criar – e preferiu a solução
convencional.
O medo e os hábitos são os grandes bloqueios
A pessoa não cria, muitas vezes, por medo: de passar por
tola, de ser inadequada, de causar má impressão, de errar.
Até certo ponto esse medo se justifica, porque para criar é
necessário tentar novos caminhos. Mas, quem não assume
o risco não vai melhorar nunca sua criatividade. Qual é a
solução? Buscar a expressão inovadora e desenvolver
paralelamente o senso crítico para, depois de produzir
suas mensagens, avaliá-las bem – pedindo opinião de
amigos sensatos, se necessário – antes de passá-las à
frente. Com o tempo a pessoa aprende a ser ao mesmo
tempo criativa e adequada na sua expressão.
O hábito, segundo grande bloqueio, dá segurança e
conforto, mas, usualmente leva a mensagens eventualmente
adequadas, mas quase sempre de baixo impacto. Contudo,
prestemos grande atenção ao que Aristóteles observou –
esse é um grande ensinamento – que nós somos o que
habitualmente fazemos; assim, a excelência não é dom – é
hábito, então o hábito não precisa ser ruim. Disse ele, se
quer ser corajoso, faça atos de coragem, de quer ser um
bom citaredo (quem toca cítara), toque o instrumento. Aí é
que está o x da questão: precisamos deixar de lado o
hábito de fazer as coisas de modo convencional e adquirir
o hábito de buscar alternativas inovadoras. A pessoa
tenta, tenta, busca sempre a inovação e, com o tempo,
torna-se mais criativa. Ela se torna aquilo que faz
repetidamente.
BUSCANDO A CRIATIVIDADE
A pessoa diz que não é criativa. Às vezes devolvo com
perguntas a ela: É por falta de inteligência ou por
preguiça? Já fez alguma avaliação objetiva para ver se
essa ideia (de que você é uma pessoa tapada) se justifica
ou é apenas um palpite? Já fez algum esforço sistemático e
orientado para desenvolver a criatividade?
Para tornar-se mais criativa, sugere Roger von Oech, a
pessoa precisa:
Livrar-se dos bloqueios, incluindo essa ideia de
que você não é uma pessoa criativa.
Perder o medo de passar por gente boba, de
sentir-se inadequada.
Fazer um esforço sistemático para buscar a
segunda resposta certa (a primeira é a convencional,
provavelmente).
Fazer um esforço sistemático para deixar de
seguir as normas, quando elas não são essenciais.
Não se preocupar, na fase da criação, com os
erros, que podem ser corrigidos na fase posterior, de
avaliação do produto.
Deixar de lado as compulsões para ser lógico,
prático, racional. Tudo isso é bom, certamente, mas,
não precisa haver uma compulsão para atingir essas
condições. Elas não se aplicam a todas as situações
da vida.
É importante buscar os conceitos chaves e as ferramentas
da criatividade. Aqui vão duas indicações:
O livro Um toque na cuca, de Roger von Oech,
Editora Cultura. É gostoso de ler, criativo, e traz
conceitos fundamentais.
O site de criatividade da empresa 3M,
considerada um modelo de criatividade. É só entrar
lá que você vai obter um bom resumo sobre tudo o
que precisa saber sobre criatividade. O site é:
http://www.3minovacao.com.br/
Checklist para criatividade no texto
Aqui não temos espaço para estudar mais a criatividade.
Vamos entrar direto na aplicação de um checklist , uma
lista de verificação para busca e produção de material
criativo para seu texto. Você deve usar a lista sempre, mas
ela terá especial relevância quando você estiver sem
ideias sobre o que colocar no texto. Cada item dá uma
dica sobre material potencial a buscar e/ou incluir no
texto.
Experimente incluir:
Uma definição – do dicionário, de um outro
autor, da sua observação prática, do seu modo de ver
(pode ser até humorístico).
Um exemplo, real ou fictício. Se não tiver um
exemplo da vida real, procure imaginar um que seja
acreditável.
Uma história – real ou inventada pode chamar a
atenção para o assunto do texto, ilustrar um ponto
qualquer ou simplesmente reforçar uma ideia ou
preparar o leitor para algo.
Uma experiência pessoal relacionada ao tema.
Positiva ou negativa, a experiência cria empatia com
o leitor.
Uma regra geral ou prática consagrada. Se não
há nenhuma, que tal propor?
Uma pergunta ou série de perguntas ao leitor. Um
bom recurso é fazer as perguntas que serão
respondidas pelo texto.
Uma comparação com algo similar ou até com
coisas não similares, mas que tenham algo comum.
Por exemplo: pode-se fazer uma comparação entre o
livro de papel e o e-book ou entre o livro de papel e
a narrativa oral.
Uma visão ou informação sobre o futuro. Tudo
tem futuro e todo futuro comporta muitas visões.
Uma visão ou informação sobre o passado. Por
exemplo, ao falar do uso do celular, você pode
mencionar objetos do passado que ele substituiu ou
está substituindo: caneta, caderninho de anotações,
relógio, calculadora, disk-man, máquina fotográfica,
etc.]
Uma visão do oposto. Por exemplo, ao falar
sobre a honestidade, fale também da desonestidade.
Uma análise de causa e efeito. Por exemplo, ao
falar da tristeza, fale sobre suas causas e também
sobre os efeitos.
Uma análise de prós e contras. Por exemplo, se
vai falar da evasão escolar, analise os pró e contras
do sistema de ensino atual.
O estabelecimento de uma ordem – cronológica,
espacial, hierárquica.
Uma opinião contundente ou firme sobre algo.
Não precisa ser certa. Pode ser um mero caminho
para outras considerações. Por exemplo: “Eu acho
que os protestos de rua, da forma como estão sendo
feitos hoje, deveriam ser tratados a cassetete. Estou
errado? Pode ser que eu esteja e é até provável que
eu esteja, mas, acho que a democracia está atingindo
alguns limites em que se torna disfuncional.”
Uma citação. Qualquer que seja o assunto,
alguém interessante já tratou dele. Uma boa citação,
bem posicionada, pode ser de grande valor.
Há outros recursos. Você pode, por exemplo, tomar um
texto bem escrito e extrair sua estrutura, para usá-la em
texto similar, sobre outro assunto.
Todos esses recursos são válidos e eficientes para criação
de conteúdo para seu texto, lembrando-se que não se pode
usá-los meramente para “encher linguiça”, criar blá-bláblá,
fugir do assunto.
LIÇÃO DE CASA
1. Assista ao Vídeo 6 – Não tenha medo de criar
2. Leia o texto – Práticas para dar um toque de humor,
que está disponível no link abaixo:
https://sites.google.com/site/consultorjoserosa/praticaspara-dar-um-toque-de-humor
3. Após a leitura, escreva um texto humorístico de uma
página sobre seu trabalho. Use os truques aprendidos
na leitura.

Lição 5 – Usando estruturas básicas de texto
Estruturas e sua importância
Estrutura aqui é um modelo que usamos para fazer um
texto. Como se fosse um esquema ou base para a
colocação dos conteúdos, ideias, palavras. Esses modelos
foram aprimorados ao longo do tempo e por isso
mostram-se eficientes para a elaboração de bons textos,
com maior rapidez.
De posse de um bom modelo, o redator menos
experiente:
Lembra-se dos itens relevantes a serem
colocados no texto.
Adota uma ordem lógica que permite maior
clareza proporção na mensagem.
Trabalha de modo mais confortável e seguro, sem
ter de “reinventar a roda” a cada vez que vai fazer
um texto.
Com o tempo, ele incorpora mentalmente as estruturas
básicas e pode combiná-las, alterá-las, reduzi-las,
ampliá-las (de modo nem sempre percebido) para
produzir textos com seu toque pessoal. Pode também (e
frequentemente o faz) inventar suas próprias estruturas.
Estruturas básicas
Lembra-se das aulas do ensino fundamental? Aprendemos
que há três tipos básicos de texto: narração, descrição e
dissertação. Aqui se encaixa muita coisa! Narração é
contar uma história qualquer. Na narração temos o
romance em suas várias modalidades, a notícia, o boletim
de ocorrência, o relatório de bordo, etc. Descrição é dizer
como um objeto físico ou intelectual é: uma cadeira, por
exemplo, ou simpatia, um objeto intelectual. Na descrição
temos os textos referentes ao projeto de um móvel, a
caracterização de uma doença, e mais uma infinidade de
textos. Dissertar, por fim, é expor um assunto, usualmente
de forma mais longa e abrangendo seus vários aspectos.
Temos a dissertação de mestrado, a proposição de uma
política na empresa, a apresentação de um artigo
acadêmico, a discussão de um tópico relevante no jornal,
o discurso.
Cada tipo de texto desses pode comportar uma estrutura.
Muitos a têm, para uso de comunidades específicas. Por
exemplo, a enfermeira tem de fazer relatórios
padronizados de acompanhamento do paciente.
Vamos apresentar cinco estruturas básicas que ajudam o
redator a produzir sua mensagem em muitas circunstâncias
da vida profissional. Aprendendo a usá-las você aprende
a buscar outras para uso ou simplesmente a criar as suas
próprias.
Estrutura narrativa da notícia
Notícia é um fato relevante, que as pessoas querem saber.
Já que as pessoas têm interesse, a ideia é que seja narrado
da forma mais direta e capaz de oferecer ao leitor a
máxima informação no menor tempo possível. Usa-se uma
estrutura padrão para a narração de notícia. Essa está,
com pequenas variações, nos manuais de redação dos
jornais de todo o mundo – e visa propiciar maior
velocidade de leitura ao leitor e maior credibilidade à
mídia, porque busca isenção, precisão, clareza,
objetividade.
A estrutura básica da narração jornalística tem sofrido
adaptações para adequação ao mundo virtual, no qual os
textos são mais curtos e frequentemente fragmentados de
forma a oferecer ao leitor a possibilidade de fazer suas
escolhas de leitura.
Onde se pode usar a estrutura de narração de notícia? Nas
comunicações relevantes de um modo geral,
principalmente de organizações: em um aviso da empresa
aos funcionários ou clientes, na divulgação de um evento
esportivo, etc.
Vamos a um exemplo de estrutura de narração jornalística:
Exemplo
ELEIÇÃO NO RIO
Freixo faz mea-culpa sobre atuação de
black blocs
Candidato do PSOL diz que poderia ter sido
'enfático' ao reprovar grupo; rival Crivella usa
tema contra ele.
Acompanhe no quadro a seguir a estrutura da
notícia com o exemplo acima.
Partes No exemplo
Sobretítulo (opcional)
Texto usualmente curto que se
sobrepõe ao título e faz
referência a tópico com o qual
esteja relacionado. Busca
contextualizar o título.
Eleição no Rio
Título
Diz exatamente de se que trata
a matéria. Permite ao leitor
decidir se quer ler sobre o
assunto ou não. Tem um sujeito,
um verbo e um complemento.
Freixo faz mea-culpa sobre
atuação de black blocs
Subtítulo (opcional)
Eventualmente complementa o
título, dando aspectos atuais e
relevantes do tópico.
Candidato do PSOL diz
que poderia ter sido
'enfático' ao reprovar
grupo; rival Crivella usa
tema contra ele.
Lead
RIO - O candidato à prefeitura do Rio
Primeiro parágrafo, que traz um
resumo do acontecimento,
enfocando os aspectos mais
importantes desse. Usualmente
responde às perguntas: quem,
que, quando, onde, como e por
que
Marcelo Freixo (PSOL) reconheceu que
deveria ter sido enfático ao condenar a
tática de violência adotada por grupos de
manifestantes como os black blocs. Ele
se referiu a uma fala dele, que vem sendo
reproduzida pela campanha de seu
adversário Marcelo Crivella (PRB),
durante as manifestações de 2013, em
que afirma não ser “juiz para ficar
avaliando os métodos em si”. A frase é
interpretada pelo senador como defesa da
violência.
Corpo
É o texto complementar, que é
construído em forma de
pirâmide invertida, isto é, os
fatos vão sendo apresentados
dos mais importantes aos menos
importantes.
(Sequência do texto)
Fonte: Estadão Online. 25/10/2016
Alguns detalhes da redação de notícia:
O título, conforme dito, tem um sujeito, um verbo,
um complemento e indica exatamente do que fala a
matéria. Veja: “Freixo faz mea-culpa sobre atuação
de black blocs. Jamais pode ser diferente daquilo
que o texto contém, causando surpresa ao leitor. Sua
função é orientar a leitura, permitir que o leitor
escolha se quer ler ou não.
O verbo do título preferencialmente vem no
presente, não importando se se refere a fato do
passado ou futuro. No exemplo: “Freixo faz meaculpa”
refere-se ao passado, como se vê no lead: “O
candidato à prefeitura do Rio Marcelo Freixo
(PSOL) reconheceu...”
O lead, como dito, preferencialmente dá um
resumo geral da notícia e responde às perguntas:
quem, que, quando, onde, como e por que. Tem
usualmente de dois a três períodos, seis a nove
linhas. Usualmente responde em primeiro lugar à
pergunta mais importante.
Evitam-se os adjetivos e advérbios que denotam
opinião. O redator jornalístico narra tudo na terceira
pessoa, de modo objetivo, isento, preciso. Não
apresenta seus pontos de vista ou ideias. Isso pode
ser feito em artigos ou editoriais do jornal. Note que
o adjetivo enfático foi dito pelo enfocado pela
notícia e que os adjetivos rival e o sinônimo
adversário não revelam opinião, mas um estado
objetivamente definido.
O texto deve ser o mais curto possível, contendo
só o suficiente para narrar os aspectos relevantes do
fato, aqueles que o leitor deseja saber.
A cada dois parágrafos, recomenda-se a
colocação de um intertítulo, aquele pequeno título
demarcador de assunto.
Estrutura da notícia
Exemplos de uso de estrutura de narração jornalística:
Um comunicado do colégio sobre alteração no
período de férias.
O lançamento de um novo produto pela empresa.
Um aviso do supermercado aos clientes
discorrendo sobre premiações.
O texto pode ser divulgado em boletim, em quadro de
avisos, em mensagem de alto falante ou qualquer outro
meio. Se seguir a boa estrutura, a comunicação será mais
fácil e eficiente.
Outro modelo de estrutura narrativa
Um modelo, uma estrutura, serve para algum ou alguns
usos específicos. No caso do modelo jornalístico, por
exemplo, aplica-se quando se quer informar algo
relevante às pessoas – uma notícia do interesse delas.
Essa forma, entretanto, não é a única existente para
narração.
Vamos ver outras alternativas.
Alternativa de estrutura narrativa
A introdução apresenta o texto e é uma orientação de
leitura. Deve ser clara o suficiente para o leitor saber o
que vai encontrar pela frente.
Na parte do desenvolvimento o texto pode ser dividido
em capítulos.
UM MODELO DE ESTRUTURA DESCRITIVA
Descrição, conforme observamos, é dizer como é um
objeto físico ou intelectual. Quando se trata de objetos
físicos – um automóvel, por exemplo - usualmente é bem
mais fácil. Quando se trata de um objeto intelectual –
angústia, por exemplo – as coisas complicam-se.
Vejamos uma alternativa de modelo.
Estrutura do texto descritivo
Checklist para a descrição de um objeto físico ((Use o
que for relevante):
Cumprimento
Largura
Altura
Profundidade
Peso
Volume
Material de que é feito
Grau de conservação
História
Aparência
Cor
Estilo
Similaridade com outros objetos
Diferenciação em relação a outros
Cheiro
Funcionamento
Potência
Uso principal
Usos secundários
Valor objetivo
Valos subjetivo
Espaço que ocupa
Posicionamento
Localização
Manuseio
Suponha, por exemplo, que você seja solicitado, como
perito, a fazer a descrição de uma antiguidade – uma
cadeira, por exemplo – que esteja sendo objeto de litígio.
Nesse caso, pode usar o checklist. Alguns itens poderão
não se aplicar e poderá ser necessário também acrescer
outros aspectos que não estão contemplados aí, mas, o
checklist é uma base. Quanto ao ordenamento, você cuida
disso no plano do texto, e pode adotar o que for mais
sensato.
Checklist para a descrição de um objeto intelectual (Use o
que for relevante):
Categoria (sentimentos, ideias ou conceitos,
comportamentos)
Como se manifesta
Origem
Resultados reais
Resultados potenciais
Como é percebido
Posicionamento entre outros objetos similares
Objetos opostos
Dimensão
Intensidade
Tempo
Suponhamos que você seja professora ou professor de
Psicologia e vai dar uma aula sobre atitudes ou sobre
ansiedade. Pode usar o checklist para montar seu material
e sua explanação.
Checklist para descrição de uma pessoa (use o que for
relevante):
Idade
Sexo
Altura
Peso
Cabelo – tipo e cor
Pele – tipo e cor
Raça
Nacionalidade
Tipo
Características distintivas opcionais de
aparência: bigode, barba, tamanho cabelo
Roupa
Acessórios
Postura física
Expressão emocional
Expressão verbal
Ocupação
Classe social
Estado civil
Renda
Escolaridade
Comportamento
Religião
Visão política
Opiniões
Digamos que você tenha de descrever o assaltante que
fugiu. Alguns itens provavelmente não serão conhecidos,
mas pode haver indícios deles em outros . Por exemplo,
suponhamos que ele tenha rezado antes de fazer o assalto!
Isso indica algo, risível, mas indica.
MODELO DE UMA ESTRUTURA DE DISSERTAÇÃO
Agora, imagine que você precise expor um assunto, por
exemplo, fazer o seu TCC (Trabalho de Conclusão de
Curso). Se for esse o caso, usualmente já há padrões
estabelecidos pela faculdade. Mas, há outras
circunstâncias em que é necessário dissertar. Eis um
modelo de estrutura para fazê-lo:
Estrutura da dissertação
Checklist para a dissertação (use o que for relevante):
Definições
Contexto em que se situa o tema – campo do
saber
Situação atual da pesquisa sobre o tema
Histórico
Ideias relevantes
Pessoas relevantes que o discutiram
Principais aspectos
Seus relacionamentos com processos sociais,
pessoais, organizacionais
Impacto social
Relacionamento com outros temas ou aspectos da
vida
Controvérsias
Modelo de uma estrutura de argumentação
Argumentar – defender uma ideia ou ponto de vista – é
necessário em todos os campos da vida. A argumentação
pode estar presente na carta de vendas, no texto científico,
no texto jurídico, na proposta de implantação de um
projeto, etc. Há modelos adaptáveis aos vários casos. Eis
um modelo geral:
Estrutura de argumentação
Checklist para a argumentação (use o que for relevante):
Descrição do argumento
Teses contrárias
Teses favoráveis
Autoridades que se manifestaram sobre o tópico
Histórico da discussão
Exemplos
Casos
Experimentos científicos
Estatísticas
Resultados práticos documentados
Abrangência das propostas
Analogias
LIÇÃO DE CASA
1. Veja o vídeo 7 – Estruturas básicas de texto
2. Faça uma descrição de uma a duas páginas sobre
saudade. Use o checklist.

Lição 7 – Textos adequados aos dias de hoje
Estética da época
Eis o trecho inicial do conto O Empréstimo, de Machado
de Assis (1839-1908):
Vou divulgar uma anedota, mas uma
anedota no genuíno sentido do vocábulo,
que o vulgo ampliou às historietas de pura
invenção. Esta é verdadeira; podia citar
algumas pessoas que a sabem tão bem
como eu. Nem ela andou recôndita, senão
por falta de um espírito repousado, que lhe
achasse a filosofia. Como deveis saber, há
em todas as coisas um sentido filosófico.
Carlyle descobriu o dos coletes, ou, mais
propriamente, o do vestuário; e ninguém
ignora que os números, muito antes da
loteria do Ipiranga, formavam o sistema de
Pitágoras. Pela minha parte creio ter
decifrado este caso de empréstimo; ides
ver se me engano.
Poucas pessoas têm paciência para apreciar essa leitura
nos dias de hoje, embora o texto seja de um dos maiores
nomes da literatura portuguesa de todos os tempos. As
narrativas de hoje têm de ser muito mais diretas e
contundentes, para fazer frente à massa de informação
impactante que as pessoas recebem a cada minuto. As
preferências vocabulares e as formas verbais também
ficariam estranhas em um texto moderno.
Neste curso não tratamos da escrita literária, mas, também
para a escrita do dia a dia há uma estética condizente com
os tempos.
Comportamento dos leitores
Você faz um relatório que o chefe pediu. Ele mora numa
cidade vizinha e pode ser que vá ler seu texto no trajeto
do ônibus, ao final do dia, pelo celular. Outra situação:
você faz um trabalho de escola. O professor, mais que
provável, o lerá no computador, navegando entre seu texto
e as notícias que está acompanhando. Ou ainda: você
envia um e-mail ao cliente, que recebeu hoje outros 212 emails.
Algumas constatações sobre o comportamento do leitor
nos dias de hoje:
Ele sofre muita pressão de tempo e dedica-se
simultaneamente a muitas tarefas.
Lê em diferentes dispositivos – material impresso
como livros, apostilas, revistas, jornais, boletins da
empresa, e sistemas digitais - celular, computador ou
tablet.
Lê em lugares os mais diferentes: no ônibus ou
metrô, na sala de aula, no escritório, em casa com a
tv ligada.
Lê muita coisa diferente, para dar conta de suas
tarefas no trabalho, eventualmente na escola, e para
atender necessidades de informação geral, lazer, etc.
Pode obter sem leitura as informações desejadas,
principalmente por meio de vídeos, tv e rádio, em
diferentes modalidades.
TEXTOS ADEQUADOS
Em decorrência de tudo isso, os textos têm de ser:
Muito diretos, para que o leitor não tenha de
perder tempo esperando pela informação que quer.
Muito curtos, com extensão suficiente apenas para
satisfazer a demanda de informação daquele
momento, naquela área.
Muito valiosos em conteúdo, para fazer frente à
competição com zilhões de outros textos que se
acham disponíveis.
Fragmentados, para que o leitor possa pegar
apenas o que desejar no momento e fluir ou não para
outros tópicos com maior aprofundamento.
Vejamos dois textos:
1. Estivemos analisando nossos arquivos e notamos que
V.Sas. costumavam comprar em média 500
exemplares de nossa publicação por mês e que
atualmente compram apenas 100. Em virtude disso,
tomamos a liberdade de vir à sua presença para
questionar o motivo da redução e propor uma reunião
com a finalidade de verificar se há um modo de
continuar fornecendo o número original de
exemplares.
2. V.Sas. compravam em média 500 exemplares de
nossa publicação por mês e agora compram só 100.
Podemos fazer uma reunião para verificar se é
possível voltar ao fornecimento de 500 exemplares?
O segundo texto tem por volta de metade das palavras. O
leitor gasta apenas metade do tempo com ele e fica
agradecido por isso. Quanto ao conteúdo, nenhum
prejuízo, certo?
Regra a observar:
Não inclua conteúdo desnecessário: só o que é do
interesse imediato do leitor.
Não use palavras e frases desnecessárias à
transmissão do conteúdo.
Antes de passar cada texto adiante, verifique se
está absolutamente enxuto.
Fragmentação do texto
Digamos que você seja especialista em educação e vai
fazer um texto explicando como a pessoa pode entrar para
a carreira docente. Você pode, no caso, fazer uma
introdução de um único parágrafo e, em seguida,
apresentar links para a pessoa direcionar o resto da
leitura, conforme seu interesse. Exemplo:
Há diferentes alternativas para quem
deseja tornar-se professor. A mais usual é
o ensino regular que engloba o ensino
fundamental e médio e o ensino superior,
com diferentes exigências para atuação do
professor. Além do ensino regular, há os
cursos livres ofertados por escolas de
todos os tipos – que demandam igualmente
professores com perfil específico. Por fim,
há o ensino autônomo e particularizado,
que oferece hoje muitas oportunidades.
Clique abaixo, no link da área de seu maior
interesse, para continuar a leitura:
Professores do ensino fundamental
e médio
Professores do ensino superior
Professores de cursos livres
Professores autônomos
Quando o leitor clicar em “Professores de ensino
superior”, ele será direcionado à leitura de texto
específico e essa poderá indicar outros tópicos de
interesse. Por exemplo:
Professor de tempo integral
Professor de tempo parcial
É possível fazer essas ligações entre páginas de um
mesmo documento do Word.
Dessa forma, se a pessoa está buscando informação
apenas sobre como dar aulas em faculdade, não vai perder
tempo lendo sobre as outras alternativas. Ela vai também
aprofundando a leitura conforme seu interesse, seguindo
os links.
Outras formas de fragmentar:
Fazer dois ou mais textos em vez de um. Por
exemplo, se for para uma publicação os textos podem
estar juntos na mesma página (de jornal ou site) ou
no mesmo relatório, mas separados por títulos.
Apresentar pequenos textos em diferentes
momentos.
Subdividir o texto por meio de intertítulos.
TENDÊNCIA À INFORMALIDADE
Há um tipo de redação que tem caráter formal e
padronizado, porque tem finalidades documentais e
jurídicas: a correspondência oficial, que trata da troca de
mensagens entre órgãos públicos, entre órgãos públicos e
pessoas ou organizações privadas, e até entre agentes
privados. Essa não é contemplada aqui neste curso, mas,
o interessado pode obter o manual oficial para a área:
MANUALDE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA
REPÚBLICA
De: Gilmar Ferreira Mendes e Nestor e José Forster
Júnior
Link:
https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm
Com exceção dessa área, a comunicação nos tempos de
hoje tende à informalidade, principalmente quando se trata
de textos destinados ao público em geral.
Algumas recomendações:
Elimine a linguagem pomposa ou formal (deixa
esta última reservada à correspondência oficial).
Em vez de Prefira
Acusamos o
recebimento de
Recebemos
Cumpre-nos
comunicar
Informamos, comunicamos
Conforme acordado De acordo com
Conforme assunto em
epígrafe
Em referência, acima
Outrossim Igualmente, ainda, também
Passo às suas mãos Envio
Rogamos seja
avaliado
Pedimos
Sendo o que se nos
oferece para o
momento
Frase desnecessária
Em textos endereçados ao público não use
linguagem reverente nem mesmo o senhor/senhora,
mas, nome e cargo ou qualificação. Exemplos: a) O
presidente da empresa, Geraldo Aguiar, informou
que...; b) A dentista Luciana Silva esclarece que...c)
O juiz Marcos Dias, da 2ª Vara da Infância e
Juventude....
Igualmente não se refira a titulações, exceto nas
circunstâncias certas. Por exemplo: Em vez de “O
Professor Doutor José Antônio Rosa”, diga
simplesmente “O professor José Antônio Rosa”.
Não use “nosso” de modéstia para referir-se a
algo seu. Em vez de o “nosso” livro, diga “o meu
livro”.
Não use “vosso” de majestade. Diga “seu”.
Não use linguagem poética fora de contexto. Por
exemplo: Imagine uma carta dirigida a uma
comunidade, pedindo ajuda para um centro de
acolhimento de menores, com o seguinte texto:
“Venho rogar a vossos generosos corações, que
partilhem conosco dessa utopia de fazer mais pelo
próximo. Isso é minorar as dores desses 60 menores
já castigados pelas agruras de uma vida sem
família”. Seria muito melhor dizer: “Aqui cuidamos
de 60 menores e os recursos nem sempre são
suficientes. Você pode colaborar?”
LIÇÃO DE CASA
1. Assista ao vídeo 8 – Qualidades do texto moderno
2. Escreva uma notícia sobre um prêmio importante que
você receberá (pode imaginar). Use o checklist da
Lição 6.

Lição 8 – Principais derrapadas na redação e
como evitá-las
Derrapadas no texto
Após o ENEM e os vestibulares sempre aparecem as
pérolas de redação dos candidatos, algumas delas tão
chocantes que fica difícil acreditar que efetivamente
tenham ocorrido. Mas, quem escreve e ensina redação
acredita que possivelmente ocorreram mesmo, pois é fácil
derrapar no texto, principalmente quando se tem a pressão
do tempo e o estresse natural que acompanha as provas.
Vejamos algumas pérolas coletadas pelo site
perolasdoenem.com.br:
1. O povo quer coisas simples, sem muita luxúria.
2. Cada vez mais as pessoas querem conhecer sua
família através da árvore ginecológica.
3. Ele tem medo de ficar preso no elevador, pois tem
cleptomania.
4. Vamos mostrar que somos semelhantemente iguais.
5. A comunicação é importante porque comunica algo
entre duas ou mais pessoas que querem se comunicar.
6. A fé é uma graça através da qual podemos ver o que
não vemos.
7. O porco é assim chamado porque é nojento.
Posso confessar uma coisa? Também eu já dei minhas
derrapadas. Um exemplo: Como jornalista iniciante, em
1976, escrevi algo assim:
Como vem acontecendo todos os anos, a
comunidade italiana de Campinas comemora hoje o
30º aniversário da sua república.
Captou a estupidez? Como é possível comemorar 30º
aniversário todos os anos?!
Todos corremos o risco de derrapar e é sempre bom
acreditar naquele provérbio americano que diz: “Shit
happens!”. Não vou traduzir com as palavras devidas por
elegância. Mas, shit é o termo popular para fezes e
happens é acontece.
Há algumas armadilhas que levam a derrapadas.
Vejamos:
No caso das pérolas 1, 2 e 3 acima o problema são as
palavras parecidas. Por exemplo, o redator da pérola
número 1 provavelmente queria dizer luxo (ostentação,
requintes) e não luxúria (desejo de prazeres sexuais). O
número 2 queria dizer, naturalmente, árvore genealógica
(origem) e não ginecológica (de ginecologia, estudo do
funcionamento dos órgãos sexuais e da saúde sexual da
mulher). Na terceira frase, cleptomania (desejo
patológico de furtar) aparece no lugar de claustrofobia
(medo patológico de lugares fechados). Veja quadro 1,
adiante.
No quarto caso há um pleonasmo vicioso, repetição inútil
de palavras com o mesmo sentido. Poderia tirar o
semelhantemente e a frase teria exatamente o mesmo
sentido. Poucas pessoas provavelmente derrapariam de
modo tão contundente quanto o fez nosso amigo acima,
mas, muitos dizem coisas como:
Há cinco anos atrás vi Pedro. Ora, ou tira o
“há”, ou tira “atrás”. Os dois vocábulos juntos é
redundância.
No casos 5 e 6, o problema são as definições e
explicações. É comum as pessoas distraírem-se e
incluírem, em suas definições e explicações, os termos
que estão tentando definir ou explicar. Daí: a
comunicação comunica entre pessoas que querem
comunicar!
Por fim, no caso 7, o autor derrapa devido à ingenuidade
pura e simples. A associação entre porco e sujeira é
comum, dadas as condições das pocilgas, mas não se pode
inferir que o nome do animal decorra dessa relação.
Não confundir... com...
Absolver - inocentar, perdoar, Absorver – consumir, ingerir, aspirar,
assimilar.
Acento - sinal gráfico; realce de uma
sílaba (ou palavra).
Assento - lugar, superfície ou coisa
sobre a qualse senta.
Acessório - que não é fundamental;
adicional.
Assessório – referente ou
pertencente a assessor.
Acostumar – contrair hábito;
adaptar-se.
Costumar – ter por hábito; ter
costume.
Aferir – avaliar, julgar por meio de
comparação.
Auferir – colher, obter ou receber
vantagens.
Aprender – instruir-se, adquirir
conhecimento.
Apreender – assimilar mentalmente;
captar, compreender.
Atuar - desempenhar um papel como
ator; agir;
Autuar - lavrar um auto de infração
contra alguém; processar.
Câmara – local onde se reúnem os
vereadores, deputados.
Câmera – aparelho que capta e
reproduz imagens.
Comprimento – extensão. Cumprimento – saudação, ato de
cumprir, execução.
Concerto – sessão musical. Conserto – reparo.
Deferir – atender, conceder; Diferir – distinguir-se, ser diferente;
adiar.
Descrição - ato de descrever. Discrição - reserva, qualidade de
discreto.
Granizo – Pedras de gelo que vêm
em forma de chuva
Granito – Rocha dura
Infligir - aplicar pena ou castigo. Infringir - transgredir, violar, não
respeitar.
Mandado - ordem judicial. Mandato - período de permanência
em cargo.
Precedente – antecedente. Procedente - proveniente, oriundo.
Ratificar – confirmar. Retificar – tornar reto o que está
torto; endireitar.
Soar - produzir som. Suar - transpirar.
Vultoso - volumoso, de grande vulto,
enorme.
Vultuoso - vermelho, inchado,
atacado de vultuosidade.
O site Recanto das Letras traz uma longa lista de palavras
parônimas (grafias parecidas, com sentidos diferentes) e
homônimas (iguais na grafia, com sentidos diferentes).
Para acessar:
http://www.recantodasletras.com.br/gramatica/152254
Fontes de ambiguidade
A ambiguidade, o duplo sentido, é uma potencial fonte de
derrapadas na redação. O redator se esquece de que
algumas palavras têm mais de um sentido e constrói frases
que não deixem claro o sentido em que o vocábulo é
empregado. Exemplo:
Como vai a cachorra da sua amiga?
O rapaz comeu maçã e sua prima também.
Muitas palavras têm esses sentidos ou conotações
maliciosos, o que leva a ideias ou insinuações
indesejadas. Tais são, entre outras, as palavras negócio,
penetrar, gozar e praticamente todos os nomes de animais
e objetos que eventualmente sejam empregados também
com sentido malicioso. Exemplo:
O negócio do Pedro encolheu com a chegada da
crise.
O jumento do Nelson invadiu o quintal das
freiras.
O Sílvio gosta demais de linguiça.
O sentido malicioso usualmente revela-se a pessoas que
são maliciosas. O problema está mais naquelas que nos
textos em si. Do ponto de vista da comunicação,
entretanto, é melhor evitar, para não provocar nenhum tipo
de interpretação inadequada, de quem quer que seja.
Cacófatos
Os cacófatos, encontros de sílabas que formam palavras
ou expressões desagradáveis ou deselegantes, também
fontes de derrapadas. Exemplos:
Nenhum segurança havia dado.
Governo confisca gado de fazendas.
Usei um pilão de socar alho.
Minha irmã, essa fada, sempre cuidou de mim.
Emagreci graças ao cooper feito diariamente.
Nunca gaste além do orçamento.
Cuidado com a palavra fé, grande causadora de cacófatos:
Fé de Paulo.
Ele tem pouca fé.
Os dois são muito diferentes quanto à fé: João, fé
de mais; Pedro, fé de menos.
Outros encontros de palavras que acarretam sons
desagradáveis. Por exemplo: Não se deve terminar uma
oração ou um parágrafo e iniciar outro com a mesma
palavra ou expressão. Exemplos:
Ele trouxe o amigo para trabalhar na empresa. A
empresa estava em fase de expansão e...
Há uma considerável tensão nas relações
internacionais nos dias de hoje. Nos dias de hoje
percebe-se algo parecido com a retomada da Guerra
Fria.
Especial cuidado com eco, as sequências engraçadas, as
combinações que criam dificuldade de pronúncia.
João, após a reunião, marcou o leilão.
O papa pede paz.
Uma máquina faz o trabalho de cinco homens.
Criou uma grife feminina de grande sucesso.
UMA BOA REVISÃO
Como todos podemos derrapar, o jeito é não passar texto
adiante sem uma boa revisão. De minha parte, quando se
trata de texto de maior seriedade, costumo fazer o que
chamo de revisão ponto por ponto, assim:
Primeiro, reviso com foco nas questões de
pontuação;
Depois, reviso com foco em erros gramaticais,
principalmente concordância e regência;
Por fim, dou reviso com atenção específica nas
questões estéticas.
LIÇÃO DE CASA
3. Veja o vídeo 9 – Cuidado com as derrapadas.
4. Faça uma dissertação de três páginas sobre um
tópico que você conhece bem. Use o checklist da
Lição 6.

Lição 9 – Escrevendo um texto longo
Problemas dos textos longos
Os textos longos feitos por redatores menos qualificados
costumam apresentar alguns problemas comuns. Os
principais são os seguintes:
Desproporção no conteúdo – Algumas partes do
texto ficam maiores ou menores do que deveriam.
Desequilíbrio na qualidade – Algumas partes do
texto apresentam qualidade inferior à observada em
outras.
Desconexão – Não há adequada ligação entre as
partes do texto.
Inclusão de conteúdo irrelevante - Presença de
conteúdo desnecessário ou não relacionado com o
tópico em discussão.
Repetição – Há reapresentação de conteúdo, com
mudanças no palavreado.
Falta de atratividade – Exposição sem vida,
entediante.
Bom planejamento é a solução
Ora, se o planejamento é importante em qualquer tipo de
texto, quando se trata de um trabalho mais extenso ele é
ainda mais relevante. Para fazer um texto longo – um
relatório, um artigo acadêmico, um TCC – Trabalho de
Conclusão de Curso, uma dissertação, é necessário
trabalhar com atenção redobrada no planejamento.
Vejamos como o bom planejamento pode ajudar na
eliminação ou redução dos problemas mencionados:
Problema Solução no planejamento
Desproporção no
conteúdo
Ao elaborar seu sumário, o redator
deve decidir qual é o tamanho que
cada parte deve ter para haver
coerência. Ele deve definir isso em
número de páginas. Com um
sumário adequado, ele terá
indicações sobre o que deve
pesquisar mais, para ter conteúdo
relevante para sustentar as partes.
Desequilíbrio na
qualidade
Com o sumário em mãos, o redator
avaliará também se há equilíbrio no
conteúdo disponível. Tenho material
de boa qualidade para construir
cada parte do texto. Se não tem,
planeje a busca.
Desconexão O sumário deverá refletir uma linha
mestre de raciocínio. As afirmações
da introdução deverão ter
desenvolvimento e sustentação
claros e específicos no decorrer do
texto. Na fixação do sumário o
redator poderá marcar as conexões
que fará. Ao final deve ter uma
visão clara do modo como
desenvolverá suas ideias.
Inclusão de
conteúdo
irrelevante
Uma boa ideia aqui é detalhar
bastante o sumário, inicialmente, e
questionar cada um dos itens
previstos, para decidir se é
efetivamente necessário. Depois de
fechado esse, com nível de detalhe
adequado, deve ser seguido com
rigor. Inclusões e exclusões
posteriores poderão ser feitas,
evidentemente, mas sempre com
uma visão geral do texto.
Repetição Um bom sumário ajuda a evitá-las,
mas, elas poderão surgir em
decorrência da sequência do
trabalho de redação em si. O ideal é
ir avaliando, de tempos a tempos, se
o texto está correspondendo ao
sumário e se não há repetições.
Falta de
atratividade
Com vistas no sumário o redator
poderá planejar atrativos para o
texto. Estes serão exemplos, casos,
demonstrações, caixas de texto
ilustrativos, etc. A ideia é não
deixar o ritmo e a força do conteúdo
caírem. Adiante falaremos de
modos de manter o texto vivo.
Elaboração em 7 etapas
Vamos adotar um processo de planejamento em nove
etapas, para garantir que o texto longo não apresente os
vícios comuns.
Texto longo – Etapas da elaboração
1 - Refino do tema
De algum modo, provavelmente o tema já estará dado.
Mas, sempre se pode buscar o seu refino. Por exemplo:
Tema Refino
Relatório sobre a situação
da empresa (que se deseja
comprar)
Situação da empresa –
potencial de sucesso atual e
crescimento
Dissertação sobre assédio
moral
Assédio moral – Aspectos
psicossociais
Discussão sobre a escola
no país
A escola no Brasil –
Ineficiências básicas
Para refinar o tema podemos usar uma variação do
Checklist de Osborn (Alex F. Osborn, criador do
brainstorming). É um checklist criativo que se aplica a
tudo o que desejamos mudar para melhorar. Vamos ao
nosso checklist adaptado, para refinar o tema:
Checklist para refino do tema
Ao final, o tema deverá estar bem definido, claro e
preciso. Isso facilitará as etapas posteriores.
2 - Busca de conteúdo
Agora, tratando-se de um texto longo, é conveniente fazer
uma busca adequada de material para o texto. Pode-se
começar pela busca de material de terceiros. Junte tudo
que estiver disponível, no material produzido por outras
pessoas:
Livros
Apostilas
Artigos de jornais e revistas
Textos de Internet impressos
Documentos
Relatórios de entrevistas
Relatórios de pesquisa
Questionários preenchidos
Nessa fase, não se preocupe muito com a avaliação crítica
do material. Simplesmente junte o que for possível.
Agregue a esse material suas próprias ideias e
informações, igualmente sem se preocupar muito com a
qualidade. Simplesmente anote tudo de seu que pretende
usar. Para levantar material próprio, use o checklist da
Lição 5 – Criatividade na busca e produção de conteúdo,
isto é, pense em exemplos, casos, testemunhos, etc.
3 - Análise do conteúdo
Dê uma olhada geral no material, com os objetivos de:
Formar uma ideia geral sobre como enfocar o
tema
Formar uma ideia geral sobre a sequência que o
trabalho deverá ter
Identificar e marcar itens relevantes para a
composição do sumário
Identificar eventuais lacunas de informação
Identificar material dispensável
Faça uma organização física adequada do material, para
facilitar seu trabalho.
4 – Faça um sumário básico
Agora é necessário fazer um sumário inicial, provisório
certamente, contendo a espinha dorsal de seu texto. É um
sumário que contém só os itens principais, que é útil para
você formar uma ideia do conjunto do texto.
Por exemplo: Suponha que você vá escrever um texto
sobre treinamento de vendedores. O sumário básico
poderia ser:
Exemplo de sumário básico
5 - Sumário ampliado
Na sequência, tome o sumário acima e preencha-o com
subitens. Veja um exemplo com enfoque nas três primeiras
divisões do sumário apresentado.
Exemplo de sumário ampliado
6 - Redação
Agora, redige-se cada um dos tópicos previstos. Para essa
redação, pode-se fazer aquele esquema de planejamento
de texto explicado na primeira lição.
No decorrer da redação vá fazendo as conexões devidas
entre as partes do texto. Use frases que fazem a ligação
entre as partes, como:
Propusemos, na introdução, que... Agora vamos
apresentar os argumentos que....
Se é verdade que, como dissemos no capítulo
anterior, o Estado tem de .... então, o que proporemos
agora....
Igualmente, faça paradas de leitura, de tempos a tempos,
para verificar se as partes estão devidamente vinculadas e
se a sequência está dentro do previsto no sumário.
Verifique também o material coletado – seu e de terceiros
– para ver se não está deixando nada para traz.
7 – Revisão
Por fim, faça a revisão, preferencialmente ponto por ponto
como apresentado na lição anterior. Olhe o conteúdo,
primeiramente; depois verifique questões gramaticais e de
ortografia; depois, analise questões estéticas.
Você pode, na revisão final, submeter seu texto a um
checklist de qualidade, conforme a seguir:
Checklist de qualidade do texto
Adequação
À situação – O tom, a extensão, a forma, o tratamento
têm de variar conforme a situação em que se acham
os interlocutores. Há situações que pedem gravidade
e formalidade, outras que demandam maior
descontração, outras ainda que exigem textos curtos
enquanto que outras exigem textos longos.
Assunto – Igualmente a forma do texto varia
conforme o assunto e sintonizar-se adequadamente é
fundamental.
Leitor – Quem é o leitor? O que ele sabe? Qual é seu
grau de escolaridade? Qual é o nível de intimidade
que o redator tem com ele? Há um texto adequado
para cada perfil de leitor.
Redator – Uma determinada afirmação do redator X
poderá causar reação negativa, enquanto que a
mesma afirmação será naturalmente aceita, se vier do
redator Y. Quem comunica faz toda a diferença e o
texto tem de adequar-se a isso.
Mídia – Que mídia será usada: E-mail? WhatsApp?
Carta? O texto tem de adequar-se à mídia.
Concisão
Conteúdo – É só o necessário para a boa
comunicação ou tem ideias ou informações extras
que foram enxertadas ali por qualquer motivo alheio
à busca da melhor comunicação?
Objetividade – O texto está objetivo, isto é,
focalizado no assunto e sem trajetos inúteis ou
expressões de subjetividade inapropriadas?
Economia – O texto atinge seus objetivos com o
menor dispêndio de energia e tempo por parte do
leitor?
Clareza
Palavras, frases, parágrafos são facilmente
inteligíveis?
Há precisão nas afirmações e raciocínios?
Há completeza, isto é, todas as ideias e
informações relevantes estão no texto?
Coerência
Aquilo que se está afirmando combina com fatos e
com a realidade das coisas?
A vinculação entre as partes é adequada?
Observa-se coerência entre as afirmações e
raciocínios do começo ao fim?
As premissas ou afirmações levam com lógica às
conclusões apresentadas?
Ordem
A sequência da exposição é adequada?
Há proporcionalidade no destaque dado às partes?
Eventuais classificações apresentadas são
adequadas?
Vigor e ênfase
O texto é caracterizado por palavras “vivas”, fatos,
números, coisas concretas?
Elegância
Observa-se simplicidade, equilíbrio, sonoridade, ritmo,
bom gosto nas escolhas de vocabulário e na condução do
assunto?
LIÇÃO DE CASA
5. Veja o vídeo 9 – Cuidado com as derrapadas.
6. Faça uma dissertação de três páginas sobre um
tópico que você conhece bem. Use o checklist da
Lição 6.

Lição 10 – Usando a escrita como ferramenta
de promoção na carreira
Amplie sua competência e use-a
Por que as pessoas estudam? Para aprender, certo, mas,
por que aprender? Vamos à resposta óbvia e direta: salvo
raríssimas exceções, as pessoas estudam para ampliar sua
empregabilidade, para conquistar um trabalho que
satisfaça as expectativas, para ganhar mais. Em síntese,
estuda-se para adquirir competência para ganhar a vida de
modo mais eficiente e seguro.
O curioso é que às vezes as pessoas adquirem uma nova
competência e não sabem usá-la eficientemente. Isso é
ruim. De que adianta ter a competência se não se faz um
uso adequado dela? É preciso aprender a usar os próprios
recursos de maneira mais comercial. Nada errado nisso.
Usando a competência adquirida
Melhorou sua competência para escrever? Então, comece
a fazer uso estratégico dessa. Isso é fundamental, porque o
uso inteligente é que permitirá que você entre num círculo
virtuoso, que funciona assim: o uso traz resultados; esses
criam motivação para continuar usando e, paralelamente,
leva a maior aprendizado; este, por sua vez, permite
chegar a resultados ainda melhores. Por outro lado, se
você não usou, a competência “enferruja” e tende a
perder-se.
Círculo virtuoso do aprendizado
Certa vez ouvi do grande publicitário e redator
Washington Olivetto, em entrevista, uma narrativa que
explica bem isso. Perguntado sobre seu sucesso, ele disse
que teve sorte de ir trabalhar como estagiário em uma
empresa que lhe deu oportunidade de criar e ofereceu
clima e suporte para isso. Então, ele disse, conseguiu
mostrar resultado, no nível em que estava. Daí, recebeu
aplausos e ganhou novas oportunidades para continuar
criando. Ficou entusiasmado, sua autoestima e
autoconfiança melhoraram e continuou criando. Assim foi
crescendo como redator publicitário até chegar ao
reconhecimento público.
Aqui vão algumas ideias para você começar a usar a
capacidade de redação para ganhar pontos na carreira:
1 - Melhore seus textos do dia a dia do trabalho e mostreos
às pessoas certas
Por exemplo, suponhamos que você trabalhe na área de
vendas de uma empresa e que seja responsável para
elaboração de um dado relatório. Melhore esse relatório e
mostre ao chefe, perguntando-lhe se a mudança está
conveniente. É evidente que algumas pessoas têm chefes
acomodados e inseguros que não valorizarão as mudanças
sugeridas. Paciência. Mas, mesmo que seja esse o caso,
continue tentando aplicar a nova competência, porque os
ganhos em termos de aprendizado virão e mais cedo ou
mais tarde você acha uma oportunidade para mostrar
serviço (nessa empresa ou em outra).
O mais provável é que, havendo uma mudança para
melhor, na hora da real necessidade essa competência
nova adquirida será demandada pelo chefe e pela
empresa. Portanto, continue buscando a melhora – e
mostrando serviço.
2 - Ofereça-se para escrever
Em praticamente todo tipo de trabalho, uma hora surge a
necessidade de escrever algo: um relatório, uma ata, uma
proposta. Ofereça-se para a tarefa. Assim, primeiro, você
vai escrever mais e mais – e aprender mais e mais.
Segundo, você vai mostrar serviço, apresentando textos
bons. Como essa competência é bastante útil em todos os
tipos de organização, oportunidades poderão surgir daí.
Já notei que muitas vezes a dificuldade de escrever se
deve apenas a um fator: falta de prática. A pessoa sente
dificuldade e, por isso, acaba evitando as tarefas de
redação. Logo, deixa de aprimorar-se nela. Então,
ofereça-se para escrever.
3 – Melhore a qualidade dos textos que você faz em outras
atividades
Por exemplo, está fazendo faculdade? Passe a fazer
melhores textos nos diferentes trabalhos que são
solicitados. As pessoas eventualmente não se esmeram
para obter a máxima qualidade porque julgam que não
haverá diferença entre algo excelente e algo apenas
aceitável. Grande engano. Aquilo que alguém faz
necessariamente aparece, para o bem ou para o mal.
Assim, aparecer como competente cria oportunidades. Os
professores, por exemplo, observam os alunos – e eles
podem ter oportunidades a oferecer.
Acredite: o bom trabalho aparece e cria potencial para
surgimento de boas oportunidades.
4 – Crie mensagens para estabelecer pontes com pessoas
relevantes em sua carreira
A comunicação é a arma da divulgação de sua
competência, de suas credenciais para realizar uma
função, de seu interesse, de sua motivação para
determinada atividade. Há um tripé dos requisitos do
sucesso nos tempos de hoje: popularidade, credibilidade,
atratividade.
Tripé do sucesso
Você precisa aparecer para as pessoas certas, precisa
mostrar que existe – isto é, atingir a popularidade. Mas,
deve fazê-lo de tal modo que a imagem projeta seja
positiva, capaz de angariar credibilidade. Por fim, tem de
conquistar também a atratividade, porque as pessoas têm
tendência a lembrar-se daquelas que são mais
interessantes na hora das oportunidades. Assim, textos
bons e, ao mesmo tempo, de bom astral, contendo
informações agradáveis, tendem a trazer bons resultados.
Exemplos de pontes que você pode criar por meio de
textos:
Você leu um livro profissional interessante.
Suponha que haja uma pessoa conhecida que
trabalhe em um cargo chave em uma organização.
Você sabe que essa pessoa tem interesse profissional
no assunto tratado. Escreva-lhe apresentando
algumas ideias do livro e sugerindo-o. Pode-se,
assim, criar um canal para discussão de temas de seu
interesse e mostrar que você é pessoa com quem se
pode trocar boas ideias.
Suponhamos que você tivesse interesse em
trabalhar na área de marketing de uma dada empresa
que acabou de lançar um novo produto. Escreva para
a empresa falando do produto, que você comprou e
está consumindo, e aproveite para tecer elogios
(verdadeiros) sobre a estratégia de lançamento
adotada.
5 – Escreva um artigo para um veículo de comunicação
Pode ser um jornal, uma revista, um site – todo tipo de
veículo aceita colaboração de pessoas que tenham
credenciais para falar de determinados assuntos. Por
exemplo, se você é contadora ou contador, naturalmente
pode falar de uma nova lei que afetará as pequenas
empresas. Do mesmo modo, se você está na área de
saúde, pode publicar uma orientação específica para
prevenção de dada doença. Escrever artigo é um excelente
modo de projetar-se – além de ser ótimo exercício para
desenvolver a competência de comunicação. Tome um
tema relevante do ponto de vista dos leitores do veículo,
faça um bom texto usando uma estrutura de dissertação
que aprendeu aqui no curso, e envie-o à pessoa certa,
como colaboração.
6 – Publique
Na internet há vários sites de autopublicação. Alguém que
escreva um artigo, um livro, até mesmo uma poesia,
certamente achará espaço para publicar. Digamos que
você tenha alguma competência específica em dada área,
tenha um conhecimento a compartilhar (não precisa ser
nada extraordinário), é só uma questão de desenvolver a
ideia e colocar no ar.
Muita gente faz um grande esforço para escrever, digamos,
um TCC – Trabalho de Conclusão de Curso, na faculdade
ou na pós-graduação. Por que não publicar esse texto,
fazendo as adaptações necessárias? Pode-se advir daí
algum benefício – de divulgação ou até financeiro. Quem
publica abre janelas de oportunidade.
7 – Faça textos promocionais
Muitas pessoas têm atividades autônomas nos dias de hoje
ou têm pequenos negócios. Essas devem usar a
competência em redação para elaborar textos
promocionais de seus produtos ou serviços. Por exemplo,
a pessoa pode fazer um bom e-mail apresentando seu
serviço e endereçá-lo a clientes potenciais escolhidos.
Pode igualmente fazer textos para o Facebook ou outro
site de relacionamento.
A internet oferece oportunidades de divulgação gratuita
extraordinárias. Há muitos sites que mostram como
promover-se pela por meio da rede. Se você tem uma
atividade autônoma ou um pequeno negócio, estude mais o
assunto e, mãos à obra.
CUIDE BEM DE SI MESMO
Bem, uma palavra final sobre o aprendizado de redação:
Só você pode aprender por você, só você pode fazer bom
uso, só você pode cuidar do seu desenvolvimento pessoal
e profissional. Não há curso que ensine você, mas, se
você quiser aprender as oportunidades existentes hoje são
imensas – e você aprenderá com qualquer curso e com
todos os recursos que estiverem disponíveis. Igualmente,
depois de aprender, só você poderá cuidar de fazer um
bom uso. Se não houver oportunidade na função atual,
mude, busque outras alternativas. Use a criatividade para
encontrar espaço para usar plenamente seu potencial. Por
fim, só você poderá cuidar com a devida atenção do seu
desenvolvimento pessoal – conquista de posições com
maior oportunidade para contribuir e conquista de maior
sucesso.
Então, cuide bem do seu interesse.
Palavra final
Bem, chegamos ao fim de nosso curso. Espero que ele
tenha trazido principalmente motivação para o
aprendizado, porque esse deve prolongar-se por toda a
vida. Espero também que algumas ideias aqui
apresentadas tenham provocado mudanças para melhor na
sua forma de sentir, pensar e agir – e que você possa
colher os frutos disso.
Boa sorte!
Mas, o assunto não acabou. A seguir você encontra um
anexo com uma cópia do e-book Guia para Aprendizado
mais Fácil de Gramática. Sugiro que você leia - e verá
que ele é uma complementação do que discutimos aqui.

Anexo 1 - Guia para o aprendizado mais fácil
de gramática
Este guia
Fui convidado a dar aulas de redação, gramática e
interpretação de textos para profissionais de
contabilidade que precisavam fazer o exame do CFC -
Conselho Federal de Contabilidade. Argumentei que
estava meio “enferrujado” na área, mas, considerando
minha formação em Jornalismo e minha prática como
escritor, além do fato de eu conhecer a realidade dos
profissionais da área contábil, insistiram para que eu
aceitasse essas aulas.
Nas aulas, percebi que seria difícil para os profissionais
da área estudar a gramática da maneira tradicional, o que
eu próprio faço muito pouco. Resolvi então mostrar meu
modo de resolver os problemas – e buscar o
conhecimento suficiente. Acabei criando a expressão
aprendizado pelo caminho da prática, que aqui
apresento.
Não espere encontrar a erudição que um estudo mais
completo da língua requer. Vamos direto às formas de
estudar que, a meu ver, são adequadas a pessoas que não
são profissionais da área gramatical. O manual será útil
para o contador, o economista, o administrador, o
advogado, o executivo, enfim, para gente que tem de
escrever (todo o mundo) mas não tem como priorizar o
estudo mais aprofundado da gramática.
Este manual passou a fazer parte do meu Curso Prático de
Redação, que ofereço na versão online. Os interessados
poderão entrar em meu canal do Youtube e ver vídeo
sobre ele.
Caminhos de aprendizado
Tenho em mãos dois bons livros de gramática. O primeiro
deles é a Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo
Bechara. Este trata, por exemplo, da distinção entre
verbos nocionais e relacionais e também do conceito de
taxis, que “assinala a posição de um acontecimento em
relação a outro sem consideração do ato de fala”. O
segundo é a Nova Gramática do Português
Contemporâneo, de Celso Cunha e Linley Cintra. Em suas
762 páginas é bem mais acessível que a gramática de
Bechara, mas, ainda assim trata de zeugma, anástrofe,
hipérbato, e seus exemplos são extraídos da literatura,
como: “As opiniões têm como as frutas o seu tempo de
madureza em que se tornam doces de azedas ou
adstringentes que dantes eram” (Marquês de Maricá).
A melhor maneira de aprender gramática é tomar livros
como esses e estudar com calma e atenção, refletindo e
fazendo os devidos esforços para entender conceitos mais
complicados, tomando notas, buscando leituras
complementares, ouvindo aulas de professores eruditos,
etc. Esse tipo de estudo é recomendado para
profissionais: professores de português, escritores do
segmento literário, tradutores, críticos, enfim, intelectuais
que de um modo ou outro lidam com os problemas da
língua.
Profissionais de outras áreas nem sempre têm condições
de aprender desse modo erudito, por assim dizer. Não
dispõem do tempo e nem da tranquilidade suficiente para
estudar a gramática com o necessário aprofundamento e,
além disso, frequentemente não têm interesse, porque as
questões que mais os preocupam são de outros campos.
Para esses profissionais – o médico, o executivo, o
contador, o advogado – a melhor forma de aprender é
outra, que chamarei de caminho da prática.
O caminho da prática
O caminho da prática pressupõe:
* Aprender com o uso – Se a pessoa passar a usar as
expressões “não obstante” e “a despeito de” (que
provavelmente conhece mas não usa) em vez de “apesar
de” acaba por incorporá-las a seu vocabulário ativo, o
que refletirá em linguagem mais elegante e variada. O uso
repetido leva à consolidação do aprendizado. Logo,
pesquise, descubra seus erros, corrija-os e pratique o
certo muitas vezes, que esse vai tornar-se natural e
automático em sua expressão.
* Concentração nas áreas de real interesse – Por que
aprender os tempos verbais do verbo “apoquentar-se” se
ele raríssimas vezes é usado? Por que entender em
profundidade o conceito de taxis, se não se vai lidar com
as questões técnicas mais complexas da língua? Essas
podem bem ser deixadas para os especialistas. Em caso
de necessidade, consulte.
* Estudo sob demanda – A ideia é buscar apenas a
porção certa de conhecimento na hora certa. Por exemplo:
Fico na dúvida se devo dizer “obedecer o pai” o ou
“obedecer ao pai” e então vou buscar a solução. Se a
palavra ou expressão for muito usada consultarei muitas
vezes e acabarei por aprender o uso correto.
* Do específico para o geral – Em vez de aprender a
regra para extrair a orientação para acentuação de uma
palavra, posso aprender a acentuá-la sem me preocupar
com a regra. Com o passar do tempo vou percebendo de
ouvido que certas palavras que têm algo em comum têm
também o mesmo tipo de acento: maná, manacá, café, até,
avó, carijó. Por outro lado, ao perceber igualmente que
“Parati” e “caju” não têm acento começo a entender
também que o mesmo se aplica a “caqui, juriti, Itu”. Daí a
pessoa começa a entender a diferença entre os dois
conjuntos: a, e, o fortes no final levam acento, quando i e
u não levam.
* Aprendizado pela exceção – Quando a pessoa lê um
bom livro sobre erros comuns de português ela descobre,
por exemplo, que fala erroneamente “meretíssimo” e não
“meritíssimo” como deveria. O erro marca. Aprender a
evitar erros comuns é um caminho usualmente mais curto
que aprender a escrever e falar certo.
* Aprender pela repetição – Depois de conferir cinco
vezes a tabela do hífen para escrever “autoajuda”, a
pessoa acaba percebendo que a palavra não tem hífen e
que outras formadas por “auto” seguidas de vogal
igualmente não têm.
* Aprender jogando – Por meio de um aplicativo de jogo
simples se pode aprender facilmente a leitura das notas
musicais. Igualmente por meio de exercícios na internet se
pode aprender gramática. Depois de fazer 50 exercícios
de regência a pessoa passa a entender o que é regência
sem ter estudado o assunto. O jogo é prazeroso e torna o
aprendizado estimulante e mais fácil.
Usar a tecnologia – O mundo mudou radicalmente com o
advento da tecnologia da informação. Tudo que diz
respeito a conhecimento e sua aquisição foi afetado pela
internet e a revolução que acarretou. Recursos
extraordinários abrem novas janelas de oportunidades de
aprendizado para todos. Está tudo à mão: vídeos, sites,
jogos, podcasts, e-books, cursos EAD. O uso dos novos
recursos que permitem acelerar como nunca o
aprendizado. Use tudo.
Estratégia de aprendizado
Para aprender gramática de modo mais fácil é conveniente
estabelecer uma boa estratégia de aprendizado. Isso é
decidir o que estudar, o que não estudar, e as formas de
estudar. O quadro abaixo ajuda nessa tarefa.
Exemplos sobre o que estudar/não estudar
Tópico Observações
Conceitos gerais de
fonologia: vogais,
semivogais, consoantes;
dígrafos e encontros de
vogais e consoantes,
sílabas, acento tônico.
Deve-se estudar o
essencial. Cabe em poucas
páginas, não oferece
dificuldade à compreensão
e ajuda bastante a resolver
problemas em outras áreas
da gramática.
Grafia de palavras com as
letras x, ch, c, ç, s, z, j, g e
hífen.
Não estudar. São muitas
regras, algumas
complexas, exigem outros
conhecimentos (por
exemplo, origem das
palavras). É melhor ir
pela exceção - consultar,
no caso de dúvida, e
aprender “de ouvido”,
pelo uso.
Regras de acentuação. Deve-se estudar. As
principais são poucas,
facilmente assimiláveis e
resolvem a maioria dos
casos. Caso você não
memorize imediatamente
algumas, não há problema,
pois, com as consultas ao
longo do tempo se pode
aprender.
Conceitos fundamentais
como sinônimas, antônimas,
homônimas e parônimas.
Estudar. Pouco estudo e
melhoria da compreensão
geral, para resolver
problemas.
Morfologia – estrutura das
palavras, origens,
processos de formação.
Não estudar. Não há
aplicação imediata para a
solução de dúvidas e
problemas. O esforço
pode ser mais bem usado
em outros tópicos.
Classes de palavras –
Substantivo, adjetivo, etc.
Estudar. Essencial para
compreensão de outras
questões, fundamental para
resolver problemas.
Compreensão rápida e
fácil – pouco estudo,
muito resultado.
Pontuação. Estudar. Muito pouco
estudo, enorme impacto na
redação. Imprescindível
estudar.
O quadro acima é parcial. O importante é você
desenvolver a sensibilidade para decidir sobre o que
convém e o que não convém estudar, principalmente
considerando suas necessidades específicas. Tome a
Gramática Completa para Concursos e Vestibulares, de
Nílson Teixeira de Almeida (veja adiante). Ela só contém
o essencial em cada tópico. Use-a para fazer uma análise
sobre o que é relevante estudar ou não. Estabeleça
prioridades a partir daí – estude primeiro o que é mais
relevante e, se houver tempo e necessidade, estude o
resto.
Note que há coisas que não se tem como estudar ou que é
difícil estudar. Por exemplo: os adjetivos pátrios, que
indicam a origem de uma pessoa ou coisa, como por
exemplo, a pessoa que nasce na cidade de São Paulo –
paulistana. Qualquer lista que as boas gramáticas
apresentem será ridiculamente limitada e dificilmente
incluirão o adjetivo pátrio da pessoa nascida, por
exemplo, em Duartina, SP, que é duartinense. Sendo
assim, nesse caso é melhor não estudar e sim consultar.
Com o tempo se aprendem aqueles de maior interesse.
Autodidatismo
Vale a pena a pessoa adotar práticas para aprender
consigo mesma. Isso sempre foi viável e eficiente e nos
dias de hoje o é ainda mais. Pessoas que querem
realmente aprender conseguem conquistar a competência
básica de conversação em uma outra língua por meio de
vídeos, cds, programas de tv. Ao fazer um exercício na
internet, realizar uma pesquisa específica, escrever um
texto para autoavaliação a pessoa vai aprendendo sem
mestre.
Aqui vão duas sugestões que levam seguramente ao
aprendizado da língua:
1
Faça uma redação no computador, no Word (Office),
tomando o cuidado de desabilitar antes o corretor
automático do programa. Para fazê-lo, entre em Revisão,
siga para Idioma, daí passe a Definir idioma de revisão
de texto. Na caixa que aparecer, habilite Não verificar
ortografia ou gramática e clique no botão Definir como
padrão. Depois que escrever a redação, faça a mesma
operação, para reabilitar a revisão. Daí, o Word
apresentará com grifo vermelho as palavras grafadas com
possível erro e com grifo verde os possíveis problemas
gramaticais (ver adiante em Uso do corretor do Word).
Analise as palavras e partes grifadas e descubra seus
erros.
2
Peça a alguém para ditar um texto para você e escreva-o
no Word, usando o mesmo processo acima.
O autodidatismo é a premissa orientadora básica de todo
este guia. Os outros recursos que serão apresentados
levam a ele.

Dois livros de gramática
Já mencionamos até o momento três livros de gramática.
Dois para o estudo pela via da maior erudição e um para
o estudo pela via da prática.
Livros mais completos e aprofundados
* Gramática do português contemporâneo, de Celso
Cunha e Lindley Cintra, Editora Lexicon. Gosto do texto
porque é bastante didático, além de ter uma diagramação
que torna a leitura mais agradável e produtiva.
* Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo Bechara,
Editora Nova Fronteira. Excelente, mas, mais indicado a
quem estiver disposto a fazer um esforço maior para
compreensão, pois, aprofunda mais nas questões e não tem
preocupações didáticas.
Gramática resumida
* Gramática completa para concursos e vestibulares –
Nílson Teixeira de Almeida, Editora Saraiva. Excelente
porque embora traga textos bastante curtos sobre cada um
dos tópicos, enfoca tudo o que é essencial e apresenta
mais de 500 testes com respostas comentadas, o que
facilita sobremaneira a compreensão.
Minha sugestão é que você tenha dois livros de gramática:
um mais completo e aprofundado, como os dois primeiros,
e um mais resumido, como o terceiro. Pode escolher entre
os sugeridos e os muito outros que se encontram nas
grandes livrarias. É bom sempre levar em conta as
preferências pessoais em termos de tratamento e
diagramação, para tornar a leitura mais produtiva e
prazerosa.
Esses livros servirão para consultas pontuais, mas não só
para isso. A ideia é que você vá lendo aos poucos, sem
propósito específico imediato, o livro resumido, para ir
formando um quadro geral da gramática e memorizando os
pontos chaves. Paralelamente, com alguma periodicidade
e dentro das condições de tempo e interesse, complementa
a leitura de um tópico da gramática mais resumida. Assim,
vai mantendo-se com ligação com as questões mais
aprofundadas da língua.
Que essas leituras sejam feitas sem estresse e sem
compromisso com aprimoramento imediato.
Livros sobre erros
Livros de erros comuns fazem sucesso, com razão.
Oferecendo um alerta para os erros mais frequentes
permitem que as pessoas fiquem vigilantes com relação a
eles, melhorando sua fala ou escrita. Têm também a
grande vantagem de permitir o estudo por partes – por
exemplo, algumas questões pontuais por dia, de modo
descontraído, em qualquer lugar e a qualquer hora. Por
exemplo, fica difícil ler um texto mais exigente de
gramática no metrô. Já o livro de erros, por ser
organizado em tópicos independentes, permite a leitura
fragmentada, que se amolda bem a condições de tempo e
lugar com maior flexibilidade. Sem precisar de forte
concentração, a pessoa vai assimilando os alertas de
erros.
Há muitos bons livros na área. O ideal é ir à livraria e
escolher o que mais se ajuste a seu interesse e estilo de
leitura. Algumas sugestões:
- 300 Erros mais Comuns da Língua Portuguesa, de
Eduardo Martins, Editora BF&A.
- Corrija-se! de A a Z, de Luiz Antonio Sacconi, Editora
Nova Geração.
- Dicionário de Erros Correntes da Língua Portuguesa, de
João Bosco Medeiros e Adilson Gobbes, Editora Atlas.
- Erros Nunca Mais, de Ivo Korytowski, Editora Alta
Books.
Sites de gramática
Há excelentes sites de gramática à disposição dos
interessados, todos gratuitos. O site usualmente reúne
conteúdo equivalente ao de muitos livros, apresenta um
panorama geral sobre esses assuntos e permite a
navegação entre os vários tópicos. Em síntese, possibilita
uma nova forma de buscar, captar, associar e assimilar
informações. Igualmente permite arquivo de documentos
relevantes, cópia de partes, etc. Tudo de modo fácil e
dinâmico.
A sugestão é que o leitor faça a experiência de navegar
entre alguns deles e escolha os mais convenientes para
marcar como favoritos.
Algumas sugestões:
http://www.soportugues.com.br
http://www.gramaticaonline.com.br
http://brasilescola.uol.com.br/gramatica/
http://www.normaculta.com.br/
https://duvidas.dicio.com.br/
http://www.linguabrasil.com.br/
http://www.portuguesaovivo.com.br/

Testes
Aprender de modo lúdico é uma forma de adquirir
conhecimento sem maior esforço, de modo natural e com
motivação ampliada. Ademais, há a questão do
autoconhecimento e autodesafio – todo o mundo gosta de
saber como está e se pode resolver questões. Por fim, o
teste indica erros – logo, apontas fraquezas a serem
corrigidas. Em síntese, ensinam muito. Há uma infinidade
de testes na internet
http://exercicios.brasilescola.uol.com.br/exerciciosgramatica/
https://www.pciconcursos.com.br/simulados/portugues/bHgc
https://www.concursosnobrasil.com.br/questoes/
http://terrorportugues.com.br/simulados.php
http://www.vestibular1.com.br/exercicios/especificos_portugues.htm

Material de consulta
Há uma antiga piada sobre um general que estava ditando
um texto ao seu secretário. Ele disse: “Coloque aí: a
reunião será realizada na sexta-feira.” O secretário
perguntou: Senhor, sexta-feira escreve com x ou com s?”
O general continuou: “Mude, mude: a reunião será
realizada quinta-feira.” Eis aí o que não se pode fazer, se
se pretende aprender a língua. Não se deve fugir das
dificuldades, mas enfrentá-las. Na dúvida, consulte.
Consultar é uma ótima maneira de ir aprendendo. Dá um
pouco mais de trabalho que mudar a data da reunião, mas
compensa em termos de aquisição de conhecimento.
É fundamental manter sempre à mão alguns recursos de
consulta. Aqui vão os principais:
Google
Antes de mais nada, o grande oráculo da atualidade, o
Google, porque ele comanda quase todas as outras buscas.
O Google é excelente para resolver rapidamente
problemas pontuais da língua. Basta descrever o problema
diretamente na busca e lá aparecem os sites com a
solução. Possivelmente você não precisará nem sequer
entrar nos sites. Basta ver o descritivo apresentado como
resultado da busca, na própria tela do Google. Busque,
por exemplo: “Regência do verbo participar”, “Antônimo
de caprichoso”, “Costumar ou acostumar”. As respostas
aparecem imediatamente. Uso bastante esse recurso.
Outro recurso que costumo usar, quando percebo que a
expressão vai dar algum trabalho na busca convencional,
é o seguinte: Entro no Google Notícias e coloco lá o nome
de um jornal consagrado pelo cuidado com a língua
(Estadão, por exemplo) e a busca que desejo fazer. Por
exemplo: “Estadão Nova Iorque”. Rapidamente percebo
que o Estadão grafa “Nova Iorque” e também “Nova
Iork”. Escolho uma grafia e sigo em frente em meu texto,
considerando que a probabilidade de estar correto é quase
cem por cento, principalmente em se tratando de coisa
relativamente simples, como é o caso.
Volp
Volp – Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa,
mantido pela Academia Brasileira de Letras, é o registro
oficial das palavras em uso na língua. Inclui palavras
estrangeiras que foram incorporadas pelo idioma (e,
portanto, devem ser grafadas sem itálico), como
marketing, shopping, internet, etc. Pode ser consultado na
internet – bastando para isso inserir a palavra “volp” na
busca do Google. Isso facilita a vida de quem está
trabalhando no computador e precisa fazer consultas
rápidas, para dirimir dúvidas sobre grafia. Por exemplo:
O verbo é “dirimir” ou “diremir”? O Volp esclarece
imediatamente.
É o caminho certo também para solucionar controvérsias.
É a lista oficial.
Agora já é possível também baixar o aplicativo do Volp
no celular.
Dicionário
Um bom dicionário traz muito mais esclarecimento que
meramente dar o significado de uma palavra. Ele aponta
os diferentes sentidos que um vocábulo apresenta e suas
particularidades, classe, gênero, diferentes regências,
usos consagrados, antônimos, expressões em que entra,
origem etimológica, etc. Olhar o dicionário com mais
atenção é uma boa prática, pois, cada consulta pode ser
uma oportunidade de aprendizado.
Os grandes dicionários em brochura costumam ser mais
completos. Mas, as versões online também estão ficando
cada vez melhores. Eis algumas boas opções:
Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa
Michaelis - http://michaelis.uol.com.br/
DPLP – Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
- https://www.priberam.pt/dlpo/
Aulete Digital - http://www.aulete.com.br/
Manuais de redação
Quando se escreve um numeral com número e quando se
escreve por extenso? Se não houver uma normalização,
corremos o risco de escrever ora de um jeito, ora de
outro, o que é inadequado. Uma boa alternativa é
consultar os manuais de redação dos grandes jornais de
São Paulo, que dão orientações para a padronização e
escrita correta de seus textos – o que vale também para
nós. Estão disponíveis online e você pode escolher aquele
que for da sua preferência. Sugiro que use com cuidado,
porque o do Estadão, está desatualizado (o que não tira
seu valor).
Sugiro que você vá aos sites e navegue lá, para aprender
um pouco sobre o que oferecem. Por exemplo, o do
Estadão, já citado aqui, traz esclarecimento de dúvidas de
A a Z e também um vocabulário de A a Z. Nas dúvidas
alerta-se que o certo é “dignitário” e não “dignatário”. Ali
se vê também, no vocabulário, que o nome certo da grife é
“Hermès”, caso você esteja querendo saber.
http://www.estadao.com.br/manualredacao/
http://www1.folha.uol.com.br/folha/circulo/manual_introducao.htm
Manual de redação da Presidência
Ainda na categoria dos manuais de redação, há o da
Presidência da República. Note que a expressão
Presidência da República foi grafada com iniciais
maiúsculas, mas, presidência da IBM se grafa com p
minúsculo (consultei o Manual do Estadão para sanar essa
dúvida que tive aqui). Mas, voltemos ao manual da
Presidência. Completíssimo, traz tudo o sobre
correspondência oficial. Esta é a comunicação entre
órgãos do governo e também entre particulares, em
questões de relacionamento formal, oficial. Está
disponível no link abaixo e é conveniente que você dê
uma olhada, para saber em que poderá usá-lo.
https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm
Sites específicos de verbos
Há sites específicos para diferentes questões da língua.
Por exemplo, alguns tratam exclusivamente de verbos. No
Conjuga-me cada verbo é apresentado em um browser
com todos os seus tempos.
http://www.conjuga-me.net/
Tabelas
As tabelas também facilitam a solução rápida e fácil de
problemas e, com o passar do tempo, acabam funcionando
como recurso de aprendizado. Tenho uma específica do
hífen em minha área de trabalho do computador. Consulto
com regularidade porque ainda não memorizei as regras
do acordo gramatical para o hífen. Há outros tipos: tabela
de conectivos, de interjeição, de parônimos, etc. A ideia é
verificar as dúvidas frequentes que você tem e pesquisar
se há uma tabela que se aplica.
http://redacaoparaconcursos.com.br/tabela-conectivos/
http://educacao.uol.com.br/portugues/reformaortografica/2009/01/30/hifen-prefixos.jhtm
Correções do Word
Como já se exemplificou acima, o Windows Office Word,
programa mais popular de digitação de textos, traz um
excelente recurso para quem deseja aprender de modo
mais fácil e direto – o revisor de ortografia e gramática.
No item Revisão do menu, há, no canto superior esquerdo
do browser, o ícone do revisor, que pode ser usado em
qualquer ponto do texto que o redator deseje. Ao clicar
nesse, inicia-se uma revisão desde o início do documento,
com indicação de palavras e expressões com potenciais
erros e indicação de sugestões de correção. Indica com
grifo vermelho os termos grafados de modo
provavelmente errado e com grifo verde os erros
prováveis de construção de frases, pontuação,
inadequação lexical, regência, concordância, colocação
do pronome, etc.
É só uma questão de manter o software atualizado, os
recursos habilitados, e de prestar atenção nas sugestões
do programa, para aprender com elas.

O autor
José Antônio Rosa é consultor, professor, palestrante e
escritor. Fez graduação em Jornalismo (PUC/Campinas),
mestrado em Administração de Empresas (PUC/São
Paulo) e doutorado em Ciências da Comunicação
(USP/SP). Escreve nas áreas de gestão, comunicação,
carreira, e produz textos específicos para EAD. Dá aulas
de pós-graduação.
Contato
https://sites.google.com/site/consultorjoserosa/

Como escrever bem?

Apostila Curso Prático de Redação PDF

Nenhum comentário:

Postar um comentário