NOVA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA. - Simulado Concurso

NOVA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA.

Compartilhe
Apostilas para Concursos Públicos
NOVA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA
Passar em Concurso
Concurso publico

APOSTILAS DE CONCURSO
NOVA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA
NOVA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA
NOVA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA
NOVA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Língua Portuguesa Nova Ortografia da
Alfabeto
Nova Regra O que era Como é
O alfabeto é formado por 26 letras O “K”, “W” e “Y” não eram
consideradas letras do nosso
alfabeto.
Essas letras podem ser usadas em
siglas, símbolos, nomes próprios,
palavras estrangeiras e seus
derivados.
Ex: km, watt, Byron, byroniano.
Trema
Nova Regra O que era Como é
Não se emprega mais o trema em
língua portuguesa. Apenas em
casos de nomes próprios e seus
derivados, por exemplo: Müller,
mülleriano.
Ex: agüentar, argüição,
cinqüenta, delinqüir, eloqüência,
eloqüente, freqüência, freqüente,
lingüiça, pingüim, qüinqüênio,
tranqüilo.
Ex: aguentar, arguição,
cinquenta, delinquir, eloquência,
eloquente, frequência, frequente,
linguiça, pinguim, quinquênio,
tranquilo.
O Acordo Ortográfico de 1990 foi assinado por oito países que têm o português como língua oficial: Angola,
Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Portugal e Timor Leste.
O principal objetivo desse acordo é unificar a ortografia da língua portuguesa, a fim de facilitar a circulação
de materiais, como documentos oficiais e livros, entre esses países, contribuindo, assim, para o prestígio internacional
da língua.
No Brasil, o acordo, que muda a escrita de aproximadamente 0,5% das palavras, entrou em vigor no dia 1o
de janeiro de 2009, mas terá um período de transição para implantação até o final de 2012. Durante este período,
serão permitidas as duas ortografias, a antiga e a que passa a vigorar com o acordo.
O Acordo
Nova Regra O que era Como é
Os hiatos “oo” e “ee” não são mais
acentuados.
Ex: abençôo, côo, corôo, enjôo, môo,
perdôo, povôo, vôo, crêem, dêem,
descrêem, lêem, relêem, revêem.
Ex: abençoo, coo, coroo, enjoo,
moo, perdoo, povoo, voo, creem,
deem, descreem, leem, releem,
reveem.
Nova Regra O que era Como é
Não existe mais o acento diferencial
em palavras homógrafas.
Ex.: pára (verbo),
péla (substantivo e verbo),
pêlo (substantivo),
pêra (substantivo),
pólo (substantivo).
Ex.: para (verbo),
pela (substantivo e verbo),
pelo (substantivo),
pera (substantivo),
polo (substantivo).
Observação:
O acento diferencial ainda permanece no verbo “poder” (3ª pessoa do Pretérito Perfeito – “pôde”) e no verbo “pôr”
Nova Regra O que era Como é
Não se acentua mais a letra “u” nas
formas verbais rizotônicas, quando
precedido de “g” ou “q” e antes de
“e” ou “i” (gue, que, gui, qui).
Ex.: argúi, apazigúe, averigúe,
enxagúe, enxagúemos, obliqúe.
Ex.: argui, apazigue, averigue,
enxague, enxaguemos, oblique.
Não se acentua mais “i” e “u”
tônicos em paroxítonas quando
precedidos de ditongo.
Ex.: baiúca, boiúna, feiúme, feiúra,
taoísta.
Ex.: baiuca, boiuna, feiume,
feiura, taoista.
Acentuação
Nova Regra O que era Como é
Ditongos abertos (ei, oi) não são mais
acentuados em palavras paroxítonas
Ex: apóio, assembléia, bóia,
boléia, colméia, Coréia, hebréia,
heróico, jibóia, panacéia,
paranóia, paranóico.
Ex: apoio, assembleia, boia,
boleia, colmeia, Coreia, hebreia,
heroico, jiboia, panaceia,
paranoia, paranoico.
Observações:
• Nos ditongos abertos de palavras oxítonas e monossílabas, o acento continua. Ex.: herói, constrói, dói,
anéis, papéis.
Hífen
Nova Regra O que era Como é
O hífen não é mais utilizado em
palavras formadas de prefixos (ou
falsos prefixos) terminados em vogal
+ palavras iniciadas por “r” ou “s”,
sendo que essas devem ser dobradas.
Ex: ante-sala, ante-sacristia,
anti-social, anti-rugas, arquirivalidade,
arqui-romântico, autoregulamentação,
auto-retrato,
auto-sugestão, contra-regra,
contra-senso, contra-senha,
extra-regimento, extra-seco,
extra-sístole, infra-som, semireal,
semi-sintético, supra-renal,
supra-sensível.
Ex: antessala, antessacristia,
antissocial, antirrugas,
arquirrivalidade, arquirromântico,
autorregulamentação,
autorretrato, autossugestão,
contrarregra, contrassenha,
contrassenso, extrarregimento,
extrasseco, extrassístole,
infrassom, semirreal,
semissintético, suprarrenal,
suprassensível.
Observações:
Em prefixos terminados por “r”, permanece o hífen se a palavra seguinte for iniciada pela mesma letra:
hiper-realista, hiper-requintado, hiper-requisitado, inter-racial, inter-regional, inter-relação, super-racional,
super-realista, super-resistente, entre outras. Nos demais casos não de aplica o hífen. Ex.: hipermercado,
intermunicipal, superintendente.
Quando o prefixo termina por consoante, não se usa o hífen se o segundo elemento começar por vogal. Ex.:
hiperacidez, hiperativo, interescolar.
Nova Regra O que era Como é
O hífen não é mais utilizado em
palavras formadas de prefixos (ou
falsos prefixos) terminados em vogal
+ palavras iniciadas por outra vogal
Ex: auto-afirmação, auto-ajuda,
auto-aprendizagem, auto-escola,
auto-estrada, auto-instrução,
contra-exemplo, contra-indicação,
contra-ordem, extra-escolar,
extra-oficial, infra-estrutura,
intra-ocular, intra-uterino, neoexpressionista,
neo-imperialista,
semi-aberto, semi-árido, semiautomático,
semi-embriagado,
supra-ocular, ultra-elevado.
Ex: autoafirmação, autoajuda,
autoaprendizagem,
autoescola, autoestrada,
autoinstrução, contraexemplo,
contraindicação, contraordem,
extraescolar, extraoficial,
infraestrutura, intraocular,
intrauterino, neoexpressionista,
neoimperialista, semiaberto,
semiárido, semiautomático,
semiembriagado, supraocular,
ultraelevado.
Observações:
Esta nova regra vai uniformizar algumas exceções antes existentes. Ex.: antiaéreo, antiamericano,
socioeconômico, entre outras.
• A regra não se encaixa quando a palavra seguinte iniciar por “h”. Ex.: anti-higiênico, anti-herói,
extra-humano, semi-herbáceo, entre outras.
Nova Regra O que era Como é
Utiliza-se hífen quando a palavra
é formada por um prefixo (ou falso
prefixo) terminado em vogal
+ palavra iniciada pela mesma
vogal.
Ex: antiibérico, antiimperialista,
antiinflacionário, antiinflamatório,
arquiinimigo, arquiirmandade,
microondas, microônibus,
microorgânico.
Ex: anti-ibérico, anti-imperialista,
anti-inflacionário,
anti-inflamatório, arqui-inimigo,
arqui-irmandade, micro-ondas,
micro-ônibus, micro-orgânico.
Observações:
Esta regra foi alterada por conta da regra anterior, em resumo: prefixo finalizado por vogal + palavra
iniciada por vogal diferente não possui hífen; prefixo finalizado por vogal + palavra iniciada pela mesma vogal
possui hífen.
• Uma exceção é o prefixo “co”. Mesmo que a outra palavra inicie com a vogal “o”, não se utiliza hífen.
Ex.: coobrigar, coautor, coedição, cooperar, coordenar.
Hífen (continuação)
O uso do hífen permanece Exemplos
Em palavras formadas por prefixos “ex”, “vice”,
“grão”, “grã”, “soto”e “sota”.
Ex-marido, grão-mestre, Grã-Bretanha, soto-piloto,
sota-cocheiro, vice-presidente
Em palavras formadas por prefixos “circum” e “pan”
+ palavras iniciadas em vogal, “h”, “m” ou “n”.
Circum-hospitalar, circum-navegação, pan-americano,
pan-hispano.
Em palavras iniciadas pelo advérbio “mal” antes de
vogal, “h” e “l”.
Mal-acabado, mal-elaborado, mal-humorado,
mal-herdado, mal-lembrado.
Em palavras iniciadas pelo advérbio “bem” antes de
vogal e “h”. Existem casos em que o advérbio “bem”
pode não se aglutinar com outras consoantes.
Bem-aventurado, bem-estar, bem-humorado.
Bem-criado, bem-falante, bem-mandado,
bem-nascido, bem-visto.
Em palavras formadas com prefixos “pré”, “pró” e
“pós” + palavras que tem significado próprio.
Pós-graduação, pré-natal, pró-desarmamento.
Em palavras formadas por “além”, “aquém”,
“recém”, “sem”.
Além-fronteiras, além-mar, aquém-oceano,
recém-casados, recém-nascidos, sem-número, sem-teto.
Em palavras com sufixos de origem tupi-guarani:
açu, guaçu e mirim.
Amoré-guaçu, anajá-mirim, capim-açu.
Em palavras com prefixos, usa-se sempre o hífen
diante de palavras iniciadas pela letra “h”.
Anti-higiênico, co-herdeiro, mini-hotel, super-homem.
Exceção: subumano.
Nova Regra O que era Como é
Não se utiliza mais hífen em
compostos que, pelo uso, perdeu-se a
noção da composição.
Ex: manda-chuva, pára-choque,
pára-lama, pára-quedas,
pára-quedista, pára-vento.
Ex: mandachuva, parachoque,
paralama, paraquedas,
paraquedista, paravento.
Observação:
O uso do hífen permanece em palavras compostas que não contêm elemento de ligação e constitui unidade sintagmática
e semântica, mantendo o acento próprio, bem como naquelas que designam espécies botânicas e zoológicas:
ano-luz, azul-escuro, médico-cirurgião, conta-gotas, guarda-chuva, segunda-feira, tenente-coronel, beija-flor,
couve-flor, erva-doce, mal-me-quer, bem-te-vi, entre outras.
Não existe mais hífen Exemplos Exceções
Em locuções de qualquer
tipo (substantivas, adjetivas,
pronominais, verbais, adverbiais,
prepositivas ou conjuncionais).
Abaixo de, acerca de, à vontade, cão
de guarda, café com leite, cartão de
visita, cor de vinho, fim de semana,
pão de mel, sala de jantar, entre
outras.
Água-de-colônia, ao-deus-dará,
à queima-roupa, arco-da-velha,
cor-de-rosa, mais-que-perfeito,
pé-de-meia.
Para quem quiser saber mais:
ACORDO ortográfico da língua portuguesa. Diário do congresso nacional, Brasília, 21 abr. de 1995.
SOARES, Rosalina. Guia ortográfico da língua portuguesa: orientações sobre o novo acordo. Curitiba, PR: Editora Positivo, 2008.
TUFANO, Douglas. Guia prático da nova ortografia. São Paulo, SP: Editora Melhoramentos, 2008.
ZANOTTO, Normelio. A nova ortografia explicada. Caxias do Sul, RS: Educs, 2008.
Disponível em: <www.senado.gov.br/sf/publicacoes/diarios>
concursos públicos brasil

Apostila novo acordo ortográfico como era e como ficou pdf

Nenhum comentário:

Postar um comentário